África do Sul: Hermanus, fynbos e a reserva Grootbos

28 Flares Twitter 3 Facebook 25 Google+ 0 Pin It Share 0 28 Flares ×

DSC_0747 Uma linda viagem pela costa da Cidade do Cabo até Hermanus para observar baleias e fazer trilhas e safáris por entre cavernas, fynbos e flores mil

 

 

Eu já tinha me encantado por Hermanus após conhecer essa adorável cidade litorânea em março passado. Queridinha de surfistas, Hermanus entrou para a rota do turismo internacional na África do Sul também por três outros motivos: pela tradição no mergulho com tubarões, por ter em seus arredores a maior reserva de fynbos (uma vegetação típica desse cinturão de terra do Western Cape) e por ser ponto perfeitinho, de julho a dezembro (com destaque para outubro e novembro) para observação de baleias.

Por do sol em Hermanus

Por do sol em Hermanus

Baleia!

Baleia!

Nesse retorno à África do Sul, fiz questão de retornar a Hermanus. Mas, ao invés de ficarmos na cidade propriamente dita (como fiz em março passado, na espetacular Birkenhead House), ficamos nos arredores, num local mais afastado da costa: a reserva privada Grootbos.

GrootbosGrootbos

Afinal, a maior parte dos turistas que visita Hermanus está interessada mesmo nas baleias e nos tubarões. E tudo bem, porque eu também sempre estou interessada em ambos :mrgreen:  Mas queria ver de perto a fascinante variedade de fynbos tão particular (e quase exclusiva) dessa região do planeta.

São menos de duas horas de estrada de Cape Town até ali, bem próximo ao ponto onde as águas geladas do Atlântico e as águas mornas do Índico se encontram.  A área é famosa por concentrar o chamado “marine big five” – baleias, tubarões (a região tem a maior concentração de grandes tubarões brancos do planeta), golfinhos, focas e pinguins – além de toda a reserva botânica que abriga (incluindo árvores que podem chegar a mil anos de existência).

Proteas in the wild...

Proteas in the wild…

 

... em 3 estágios diferentes de sua evolução

… em 3 estágios diferentes de sua evolução

Grootbos significa em africâner “grande floresta”. A reserva de 2500 hectares é privada e ocupada pelo hotel de mesmo nome. O Grootbos é dividido em dois lodges (o Forest, onde fiquei, e o Garden, que achei mais estiloso) numa propriedade enorme literalmente entre as montanhas e o mar. Não, não é pé na areia, não, e chegar à praia pressupõe um bela cavalgada ou uma viagem de carro; mas a costa é visível de toda a propriedade.

Com conceito de eco lodge, o Grootbos tem comida boa (estão incluídos café da manhã, almoço e jantar de cinco passos), serviço ok e belos quartos em estilo chalés isolados uns dos outros. Os quartos são bastante grandes, com muita luz natural em todos os ambientes, sala com lareira, lavabo, quarto e banheirão, além de um deck com espreguiçadeiras e chuveiro ao ar livre, com vista para o mar ao fundo (alguns com mini-piscina, como o nosso). Os chalés são ligados ao prédio principal (onde ficam restaurante, bar, recepção, lojinha e tal) por um caminho através da floresta, nuns dez minutinhos de caminhada (lindo de dia, meio “bruxa de Blair feelings” à noite). Possuem também um pequeno spa com 3 salinhas.

GrootbosGrootbosGrootbosGrootbos

O lobby, com restaurante, bar e recepção tudo no mesmo ambiente

O lobby, com restaurante, bar e recepção tudo no mesmo ambiente

 

O caminho para os quartos

O caminho para os quartos

Estão também incluídos alguns passeios diários (dentro de horários e em dias pré-estabelecidos pelo próprio hotel), como cavalgadas, caminhadas, safáris em 4×4 para conhecer flores e as diferentes espécies de fynbos (existem ali 765 espécies de fynbos, incluindo 100 com risco de extinção, seis que são completamente novas para a ciência e quatro que são encontradas unicamente na reserva) e alguns passeios guiados (em carro e à pé) pela costa.

Fynbos Safari

Fynbos Safari

O tempo esteve feio enquanto estive por lá (chuvas ocasionais mas ventos muito fortes o tempo todo), então nem todos os passeios estavam disponíveis. Fiz o 4×4 botânico (que foi bacana, mas menos interessante do que eu previa), algumas trilhas e um excelente passeio para ver as cavernas antigamente habitadas pelos Coi (e formadas pela água) na costa. O passeio, além da linda caminhada e entrada nas cavernas, termina com observação de baleias num deck beira-mar com direito a drinks (os “sundowners” que os sul-africanos tanto curtem) e um verdadeiro desfile de baleias mamães e seus bebês-baleia bem em frente <3

Grootbos

As sensacionais cavernas onde os Coi se abrigavam

As sensacionais cavernas onde os Coi se abrigavam

 

 

África do Sul

Grootbos

O bacana do hotel e que atrai a maioria dos turistas para lá é todo o lance do “green tourism” e turismo sustentável que eles pregam através da sua Grootbos Foundation, que trabalha pela proteção do meio ambiente da região em que estão inseridos (Walker Bay) e valorização da comunidade local (empregada no hotel e nos projetos).

O trajeto de ida e volta da Cidade do Cabo para lá, por si só, margeando toda a costa o tempo todo, por si só já é um espetáculo. Quero repetir.

28 Flares Twitter 3 Facebook 25 Google+ 0 Pin It Share 0 28 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.