Amsterdã – muito além do Red Light District

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

Amsterdã é uma cidade com todas as grandes vantagens de uma capital européia: cultura, história, boa comida, transporte eficiente. Como se isso não bastasse, reveste-se de uma aura incomum em suas ruas estreitas e quietas e seus largos canais, repletos de restaurantes, cafés e lojas de decoração em suas margens, onde beleza e tranquilidade convivem lado a lado com espaços decadentes.
Você já cansou de ouvir e ler as muitas histórias sobre os coffee shops da cidade e a liberação da maconha, o Red Light District, a Casa de Anne Frank e o Rijksmuseum. Bom, esse último é realmente imperdível, assim como o museu Van Gogh. Reserve ao menos uma tarde para ver suas paredes forradas com as melhores obras dos grandes mestres mundiais das artes. Sem contar que os edifícios dos museus, por si só, já são grandes obras de arte.
A temperatura em Amsterdã é gelada no inverno, fria na primavera e no outono e fresca no verão. Mesmo em pleno mês de julho, é comum ver turistas e moradores com jaquetinhas e suéteres bebericando pelos inúmeros cafés da cidade – mesmo em dias quentes, a brisa fresca dos canais nunca dá tréguas à noite. A grande vantagem é que no alto verão o céu só escurece depois das 22h – e é aí que a noite ferve na cidade. Mas a cidade anima-se, seja qual for a estação, em torno da Damrak, a principal avenida da capital holandesa.
Comunicar-se é fácil; há turistas do mundo todo, por toda parte. É extremamente fácil fazer amizade ou puxar papo numa mesa de um bar ou café ou mesmo na meio da praça Dam. Todo mundo fala inglês em Amsterdã, seja turista ou nativo, jovem ou idoso. Além do holandês, a grande maioria dos moradores falam também francês e alemão, línguas que também aprendem na escola. Sem mencionar a verdadeira torre de babel dos turistas que assolam a cidade em qualquer época do ano.
É verdade que a cidade ficou mais cara em tempos de euro, mas não perdeu, de maneira nenhuma, seu charme inigualável. Curiosamente, a maioria dos bons restaurantes de Amsterdã está em pleno centro da cidade, muitos deles nos arredores da movimentadíssima Leidseplein.
Vários estabelecimentos exigem que se faça reserva com antecedência para o jantar e, infelizmente, nem todos aceitam cartões de crédito, embora não tenham problemas em aceitar travellers checks. Se você faz questão da divisão fumantes/não-fumantes, esqueça: esse hábito ainda não chegou na capital holandesa, onde ambos públicos convivem civilizadamente em mesas lado a lado. Fique atenta para o horário: os holandeses comem muito mais cedo que outros povos europeus, em torno das oito da noite. Cuidado para não chegar no restaurante em cima da hora: a maioria fecha às 23h.
Diz o provérbio que “chove menos em Roma, mas Amsterdã tem muito mais cafés”; essa é a mais pura verdade. Os cafés e bars são, sem dúvida, uma das melhores partes de Amsterdã e há pouquíssima diferença entre eles. Espalhados pela cidade toda, oferecem geralmente mesinhas externas extremamente agradáveis em dias de tempo bom e temperaturas mais amenas – uma grande vantagem da cidade sobre outras capitais européias é que você paga sempre o mesmo preço pelos produtos, independente do local que escolher para sentar.
Servem vários tipos de bebidas, alcoólicas ou não, e petiscos, como os famosos croquetes holandesas. Alguns servem também pratos, embora suas cozinhas fechem no máximo às nove da noite. Esperimente sentar numa de suas mesinhas num fim de tarde e pedir um café Verkeerd, que tem muito mais leite que as versões tradicionais de café com leite, ou uma Witbier, uma cerveja bem clara servida com um rodela de limão.
Amsterdã é também famosa pelas suas inúmeras lojas de arte, móveis e design. A maioria das lojas fica na Leidsestraat, sobretudo entre a Leidseplein e a Spui, embora os arredores dos canais estejam repletos de boas supresas, sobretudo no bairro de Jordaan.
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.