Atacama: os passeios mais tradicionais

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

 “Dust in the wind/ All we are is dust in the wind”

Quem viaja ao Atacama, acaba encontrando na oferta geral a mesma gama de passeios oferecidos tanto pelas agências locais como pelos hotéis que operam em sistema all-inclusive. Difícil elencar os “melhores”, porque todos são muito, muito interessantes mesmo – vale a pena experimentar o máximo possível. Mas é claro que eu tenho meus favoritos, como todo mundo. Alguns nomes podem mudar um tiquinho aqui e ali, e a duração total do dito cujo também, mas os passeios mais comuns por lá são:

O Anfiteatro, contemplado nos passeios pelos vales de La Luna e de La Muerte
O por-do-sol no Valle de la Luna

 – Valle de la Luna
Acho um dos dois top-passeios-imperdíveis pra quem viaja ao deserto do Atacama. É impossível esquecer o que se vê ali, caminhando por entre as falésias e recortes desse vale impressionante. Pode ser oferecido tanto pela manhã cedo, junto com o Valle de la Muerte (como fiz na primeira visita), como no finzinho da tarde, para ficar até a hora do divino por-do-sol (como fiz agora). Esse passeio que fiz agora ao Valle de la Luna incluiu também o passeio às Cuevas de la Sal, que entra literalmente nas cavernas de sal de vale – proibitivo para claustrofóbicos (a gente fica no escuro, caminhando agachado em vários pontos), mas lindíssimo.

– Valle de la Muerte
Costuma ser oferecido tanto como caminhada como quanto cavalgada. Algumas vezes é oferecido junto com o Valle de la Luna. A caminhada é longa mas é fácil, do tipo que qualquer tipo sedentário pode fazer sem o menor problema. A cavalgada é mais puxada: em geral, são 3h em cima do lombo do cavalo, subindo e descendo pelo vale. O visual é impressionante: a gente acha MESMO que está em Marte ou em algum outro canto inóspito da nossa galáxia.

A lindona Laguna Cejar, pra boiar feito patinho de plástico

 – Laguna Cejar 
Recomendo sempre esse passeio também. Pode ser oferecido em van ou em bikes, com retorno em van – a pedalada é longa mas é bem agradável, lindo passeio. O complexo da Laguna Cejar (ou Cejas) é composto, na verdade, por duas lagoas com alta concentração de sal, no estilo Mar Morto. Os arredores costumam estar cheios de flamingos; e fica tudo parecendo uma mini prainha. Afinal, os hotéis levam cadeirinhas (e algumas das agências locais também), colocadas às margens da lagoa mais salinizada, e aí entramos e boiamos, boiamos, boiamos, por mais que tentemos mandar em nossos próprios movimentos. Esse ano, como choveu muito mais do que costuma na região, a lagoa estava bem mais cheia (e gelada!) do que quando fui na primeira vez. Mas passeio interessante igual.

O fumacê do amanhecer no Tatio

 – Gêiseres del Tatio
Eis o passeio madrugador da região. E é o passeio mais duro para os viajantes mais comuns, que não encaram as subidas aos vulcões: a estradinha para o Tatio é bem, beeeem sinuosa, e muita gente estranha também os efeitos da altitude no próprio corpo (fica mais de 4200 metros de altitude). Os tours para lá costumam sair antes das cinco da manhã, porque quanto antes se alcança o Tatio, melhor; porque quanto mais fria a temperatura, mais visíveis e intensos são os gêiseres. Mas, por mais dura que seja a viagem para alguns, é altamente recomendável que se faça: o espetáculo natural proporcionado pelos jatos de água fervente é mesmo algo singular. E os mais corajosos ainda podem encarar as baixas temperaturas externas para curtir as águas quentinhas de pequenas lagoas que se formam ali. A grande maioria das excursões ao Tatio inclui também o café da manhã servido na montanha, após percorrer a área, e a visita ao peculiar pueblo de Machuca, o menor da região (apenas 4 moradores). É oferecido pela maioria como tour de dia inteiro pela duração total do passeio, embora costume terminar na hora do almoço.

A lagoa Miñirque, do passeio às altiplânicas, a 4mil metros de altitude

 – Lagunas Altiplanicas
Pode ser oferecido com ou sem almoço, mas oferece um dos visuais mais arrebatadores do Atacama. A viagem é longa (pelo menos 1h40) para chegar ao parque (reserva nacional Los Flamencos) onde estão as lagoas Miñirque e Miscanti, rodeadas pelos vulcões de mesmo nome. A cor da água e o contraste com as cores das montanhas ao redor é mesmo impressionante. E o lugar é simplesmente perfeito para observação de pássaros. Além disso, lhamas e alpacas costumam também dar as caras por ali para beber água. Se puder, escolha o passeio com almoço e almoce dentro da reserva, de frente para as maravilhosas lagoas.O passeio costuma incluir também o tour pelo pueblo de Soconaire.

– Termas de Puritama
Para quem curte água, passeio imperdível. As piscinas de água quente no alto de montanhas, com todo o deserto se descortinando na paisagem em frente, é daqueles lugares dos quais a gente acha difícil sair. Belíssima paisagem. Alguns lugares incluem também um pequeno trekking no passeio. Costuma ser oferecido como tour de meio dia, mas em alguns lugares se inclui almoço tipo box lunch.

– Salar de Tara
Minha grande frustração: não consegui fazer esse passeio em nenhuma das duas visitas ao Atacama 🙁  Não foi oferecido pelos meus hotéis em nenhuma das duas oportunidades. Tentei comprar numa das agências de San Pedro, mas nenhuma tinha saída confirmada para o dia que eu tinha livre, uma pena. É oferecido sempre como passeio de dia inteiro, porque está distante e boa parte do tempo se gasta em van indo e vindo. Mas quem já fez garante que é um dos passeios mais lindos do Atacama, por entre trekkings pela cordilheira, lagoas de azul muito intenso e falésias impressionantes.

Ao fundo, turistas caminhando, literalmente, no deserto de sal

– Salar de Atacama (Laguna Chaxa)
Pra mim, eis aí o passeio mais lindo de todos os que se oferece no Atacama. Acho absolutamente indescritível a beleza do Salar, cortado na região que se pode visitar pela imensa Laguna Chaxa. A gente literalmente caminha por entre crostas e crostas de sal cristalizado, numa paisagem diferente de tudo que já se viu, com o salar rodeado pelas cordilheiras. A lagoa fica tomada de flamingos chilenos e flamingos andinos, lindissimos. Meu conselho? Vá no fim da tarde, que são os passeios que ficam por lá até o por-do-sol – simplesmente o mais lindo da região.



Outros passeios
Pertinho de San Pedro, dá pra ir em bike – ou à pé, para os mais bem dispostos – às lindas ruínas de Pukara,  que valem muito a pena.
Alguns passeios diferentes também entram na roda, oferecidos por apenas alguns lugares, como a caminhada com lhamas que fiz no último dia ou a observação estelar em estilo atacameño, dos quais vou falar mais adiante.
Fãs de trekkings mais ousados também podem apostar nas subidas aos vulcões da região, encontrados em várias das agências da calle Caracoles, en San Pedro, e em alguns dos hotéis.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.