Airbnb em Paris

4 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 4 4 Flares ×

Como foi minha experiência de me hospedar pela primeira vez pelo Airbnb

 

 

 

 

Gosto de hotéis. Muito, muito mesmo, desde sempre – inclusive gosto demais do universo da hotelaria e seus bastidores. Por outro lado, também gosto muito de “brincar de casinha” em apartamentos de temporada em destinos que já conheço bem e já aluguei imóveis na França, na Itália, na Espanha, nos EUA e na Argentina, por exemplo, como vcs mesmo já testemunharam aqui no blog.

Mas, acredite, até agora eu nunca tinha experimentado alugar um imóvel através da maior plataforma de aluguéis de temporada da atualidade: o Airbnb. Então aproveitei que o Airbnb tinha gentilmente me convidado para testar uma de suas propriedades por algumas noites (enviando um voucher)  e que eu ia mesmo esticar em Paris após uma viagem a trabalho para lá e, enfim, experimentei agora, entre final de abril e começo de maio.

Usei o voucher cedido por eles, completei eu mesma o restante do valor que faltava para chegar no total do meu período e fiquei dez noites num studio parisiense gracinha da plataforma do Airbnb. E a experiência foi ótima, da reserva ao check out – e é isso que quero compartilhar com vocês aqui neste post.

Antes mesmo de começar a buscar imóveis em Paris no site do Airbnb, conversei com amigos que já tinham usado a plataforma e também pedi dicas via Twitter, recebendo um feedback muito legal, sobretudo via DMs. De toda a minha experiência no processo de reserva (o “antes”), eu destacaria como muito, muito importante mesmo o seguinte:

  • pesquise muito os imóveis do destino em que você está interessado. Use os filtros disponíveis no site para adequa-lo aos seus interesses. Eu estava interessada em alugar um apartamento inteiro para minha estadia e estabeleci um budget por noite, alguns poucos bairros (arrondissements, em Paris) que realmente me interessavam, a opção “studio” e alguns critérios que para mim eram fundamentais no imóvel, como ter wifi, cama de verdade (e não sofá cama) etc.
  • crie uma lista no próprio site com os imóveis que vão te interessando enquanto você pesquisa. Depois fica muito fácil ir limando desta própria lista os imóveis que vão deixando de te interessar ao longo do processo
  • leia ATENTAMENTE todas as regras do anfitrião, veja com atenção todas as fotos e leia também todas as recomendações dos outros usuários que já se hospedaram lá. Além disso, troque mensagens com ele enquanto está pesquisando – essa é a melhor maneira de tirar suas dúvidas e ter certeza que aquele imóvel é o mais certo para a SUA viagem
  • dê preferência para usuários que aparecem como “verificados” – é bem mais seguro, sobretudo para mulheres que, como eu, estiverem usando a plataforma para se hospedarem sozinhas
 
O processo do “antes” é muito, muito fácil mesmo. Tudo pode ser feito no site ou no aplicativo para smartphone e é tudo bem explicadinho. Só não gostei que muitos imóveis que apareciam com “disponível” para o meu período enquanto eu estava pesquisando, ao entrar em contato com os anfitriões, os mesmos me diziam que não estava mais disponivel ou que estavam segurando para uma outra pessoa que tinha se mostrado interessada.  Da lista final que fiz com 12 imóveis, OITO apresentaram esse problema, o que achei um numero grande demais.
Ao definir o imóvel, o processo da reserva é também muito rápido e simples, com tudo se resolvendo rapidamente no site ou app. O custo final do imóvel vai incluir não apenas o total do valor das noites que você reservou como também taxa de limpeza, taxa de serviço do próprio Airbnb e, dependendo da cidade, impostos de ocupação (como em Paris). É só na confirmação da reserva que a gente recebe o endereço exato do imóvel (antes a gente só tem acesso à área do mesmo). Depois do envio da confirmação, o Airbnb vai nos enviando mensagens com guia do que fazer na cidade na época em que você estará lá, lembretes quando a viagem está próxima etc. Além disso, eles oferecem agora algumas “experiências” na cidade visitada, como cursos de culinária, passeios etc – mas isso eu não cheguei a testar.
No meu caso, fui cobrada em reais no meu cartão de crédito: R$350 reais por cada noite de hospedagem, R$171 de taxa de limpeza, R$366 de taxa de serviço e R$22 de taxa de ocupação  (no total, cerca de R$412 por noite).  Também é necessário pré-autorizar o Airbnb a usar uma certa quantia no cartão como caução – que varia muito de imóvel para imóvel, e é bom prestar atenção nisso também – caso o imóvel sofra algum dano ou avaria durante o período da sua estadia. NADA pode ser feito em dinheiro fora do site/app, o que é excelente para a nossa segurança.
Ao chegar ao destino, tenha em mãos bem fácil o endereço completo e também o telefone do anfitrião. A gente tem um chat para trocar mensagens com eles via app/site, mas é fundamental ter também o telefone – em casos de urgência, será muito mais rápido ser atendido via telefone.

 

O meu apê 

Assim que comecei a postar sobre minha experiência no Instagram/Stories, inúmeras pessoas me pediram o link e o código do apartamento no Airbnb de tão engraçadinho que ele é mesmo. Então falando especificamente do imóvel que eu aluguei, a experiência foi toda muito bem sucedida mesmo. A anfitriã Anne-Sophie foi desde o começo extremamente rápida, solícita e clara em todas as mensagens que trocamos. Ela não mora em Paris mas Alexandra, que faz os check ins e check outs do imóvel, também foi super prestativa e flexível com meus horários para ambos procedimentos. O imóvel é absolutamente idêntico às fotos no site e estava mesmo prontinho para minha chegada no check in – limpo, roupas de cama e banho de ótima qualidade e também itens básicos para a hospedagem, desde papel higiênico até café, sal, açúcar, azeite etc.

Localizado no 10ème – um bairro que tem mudado muito nos últimos dois ou três anos e está cada vez mais “bo-bo”, como dizem os parisienses – , o studio é muito bem bolado. Com jeito de loft, criaram quatro ambientes diferentes num espaço reduzido: cozinha, living, banheiro (com uma belíssima banheira integrada) e quarto – além do hall de entrada. A decoração é super cuidadosa, com belas fotografias e lambe-lambes nas paredes e vários objetos de decor e antiguidades. A internet é excelente, há uma fartura impressionante de tomadas (incluindo duas delas e uma para carregar USB na cabeceira da cama) e três televisões para os maníacos: uma na sala, uma no quarto e uma na banheira!

Há dois spots de calefação eletrônicos muito bom e que funcionam tambem para amenizar a temperatura ambiente no calor. Geladeira, fogão por indução, forno, máquina de lavar e utensílios em geral (das coisas de cozinha a ferro de passar e secador de cabelos) muito bons também. E até uma charmosa adega climatizada para seis garrafas, embutida na parede. Só senti ali falta de três coisas: uma máquina de café, um chuveiro de verdade (só tinha o chuveirinho da banheira) e de espaço para guardar roupa (há armário em cima da cama, mas que só serve para peças curtas).

O prédio é feinho por dentro e por fora, mas ultra bem localizado. Achei seguro também, apesar de curioso:  há código de segurança para entrar no prédio, mas a porta dá para um jardim interno que é compartilhado com duas entradas distintas para os andares dos apartamentos, um escritório aos fundos e a porta da cozinha de um restaurante.

O metrô Poissonière está literalmente virando a esquina, há supermercado e padaria em frente ao prédio e diversos bares e restaurantes nos arredores. Para quem conhece a cidade, dá para fazer a partir de lá muita coisa caminhando. Recomendo muito e provavelmente me hospedarei de novo lá em outra viagem a Paris.

 

 

Clique aqui para:

Ler mais sobre Paris

Ler mais sobre aluguel de apartamentos de temporada

Ler mais sobre outros destinos na França

 

 

 

4 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 4 4 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.