Conexão em Zurique

82 Flares Twitter 6 Facebook 68 Google+ 5 Pin It Share 3 82 Flares ×

WP_20150529_20_28_38_Pro__highres Como é entrar na Europa pelo aeroporto de Zurique, na Suíça, eleito o melhor do mundo

 

 

 

Das últimas vezes que voei com a SWISS, eu estava indo de fato para a Suíça – com ocasionais escapadas de trem a Paris – então não tinha muito a dizer a quem me perguntava como era fazer conexão em Zurique para entrar na Europa (tive uma única experiência a respeito, e boa, mas há vários anos e com conexão tão imediata que mal vi o aeroporto).

Zurich Airport

Para quem chega de fato a Zurique, o desembarque é sempre maravilhoso, com o trajeto entre aeronave e imigração/malas tão organizado e pontual (com direito a skytrain), que a gente sempre está livre, leve e solto do lado de fora muito antes do que em qualquer outro aeroporto Europeu.

Passageiros e comissários no skytrain

Passageiros e comissários no skytrain

Embarques na zona europeia

Embarques na zona europeia

Mas agora, voando com a companhia suíça tendo com destino final Viena , na Áustria, pude ver bem quão eficiente e prático é entrar na Europa através do aeroporto de Zurique – não à toa, eleito o melhor da Europa nos últimos 12 anos pela WTA.

Zurich Airport

Zurich Airport

Desde a saída do avião, os trajetos são super bem sinalizados – seja para quem busca a esteira de bagagem ou a conexão para outros destinos. Com esteiras e escadas rolantes e um adorável skytrain (com direito a musiquinha ambiente que inclui até “mugidas” das famosas vacas suíças), a gente faz o percurso de maneira muito rápida, sem stress. A passagem pelos guichês de imigração também é rápida e muitíssimo bem organizada, com vários guichês disponíveis.

A conexão super eficiente entre terminais com o skytrain que circula o tempo todo

A conexão super eficiente entre terminais com o skytrain que circula o tempo todo

Zurich Airport

Eu tinha 1h30 entre a chegada prevista do meu voo do Brasil a Zurique e a saída da conexão a Viena. Em nenhum outro caso eu deixaria uma conexão tão apertada (para outros aeroportos internacionais, costumo deixar pelo menos 2h30 entre voos). Mas ali tudo é tão cronometrado e eficiente que, nesta 1h30, deu tempo não apenas de eu trocar de terminal e passar pela imigração como ainda sentar e tomar um belo café, com calma, checar internet e tal, antes de me dirigir ao meu portão de embarque do voo seguinte com a SWISS. Se eu quisesse, teria tido tempo até para fazer compras (para quem não sabe, o aeroporto de Zurique é praticamente um shopping, com uma quantidade impressionante de lojas – de revistarias a marcas de luxo – em seus corredores).

Esteiras e escadas rolantes o tempo todo, pra gente nem sentir os deslocamentos

Esteiras e escadas rolantes o tempo todo, pra gente nem sentir os deslocamentos

Zurich Airport

As listas de voos, portões e terminais – e um big relógio com a hora local – também estão por toda parte

Pra quem já passou stress dos bons em conexões em outros grandes aeroportos europeus, como o de Paris ou de Frankfurt (neste último, cheguei uma vez até a perder minha conexão pela maior fila de raio-X do universo conhecido), é uma maravilha ver como um aeroporto pode ser grande, moderno e eficiente e ainda tratar muito bem o passageiro.

Zurich AirportZurich Airport

E na volta, é claro, na conexão vinda de Viena e a caminho do Brasil, tudo correu igualzinho – com direito a inspeção minuciosa no raio-X mas, ainda assim, rápida e eficiente como deveria ser em todo aeroporto. Pra gente embarcar feliz e não estressado.

 

ps1: quem desembarca em Zurique ou faz conexão em trem, chega rápido até ao centro da cidade – o trem que conecta o aeroporto à estação central leva meros dez minutos <3

ps2: única coisa chata desta viagem? Não ter aproveitado para fazer um stopover e desembarcar em Zurique, uma cidade que cada vez gosto mais 🙂

82 Flares Twitter 6 Facebook 68 Google+ 5 Pin It Share 3 82 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.