Cruise Review: Silver Whisper

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×
O check in com champagne: imbatível

Não escondo de ninguém que a Silversea se tornou minha armadora favorita desde o primeiro cruzeiro que fiz em um de seus navios, em 2007. A preferência continua firme e forte até hoje e posso dizer que absolutamente todas as minhas expectativas foram atendidas agora, na minha primeira viagem no Silver Whisper, meu terceiro cruzeiro com eles.

 É claro que o valor de uma cabine num dos navios da companhia é sensivelmente mais alto em comparação à maioria das armadoras do mercado; mas eu continuo achando que o custoXbenefício é super dooper. Ali tudo está incluído: refeições, room service 24h, open bar 24h, vasta carta internacional de vinhos, serviço de butler, entretenimento, lavanderia self-service, shuttle bus nas escalas até o centro etc.

As cabines-padrão sempre ultra espaçosas, todas externas e com vista (90% com varanda)
Só não estão incluídas as excursões em cada porto de escala e, minha grande birra, a internet a bordo (humpf). Mas o serviço é irrepreensível: desde o momento em que a gente embarca, é chamado pelo nome por cada membro do staff. 
Aulas de culinária local a bordo (aqui a head-chef Anne-Marie cozinhando pratos sul-africanos)

 A rota por si só já era mais que tentadora: do Brasil à África do Sul, com escalas em Santa Helena e Namíbia.  E o diretor de cruzeiro, o português ultra gente fina Fernando de Oliveira, soube fazer cada dia em alto mar valer a pena (e olha que, em 14 dias, tivemos vários; só do Rio a Santa Helena foram 5 inteirinhos), com zilhões de atividades diárias, de palestras e aulas de culinária típica de cada escala a jogos de trívia e competições mil, sempre ultra bem humorado.

O kit-viagem enviado à domicílio antes da data de embarque

 A gastronomia a bordo foi impecável da primeira à última noite – além do menu que mudava a cada refeição e a cada dia, avisando com 24h de antecedência era possível pedir individualmente o que se desejasse.  Ao longo do dia, são 4 restaurantes disponíveis: o principal, The Restaurant, com a carta mais variada e requintada, sempre a la carte; o Le Champagne, com chancela Relais&Chateaux e aberto só para jantar (o único com reserva paga – US$30 – do navio); o italiano La Terraza, buffet durante o dia e a la carte no jantar; e o Pool Deck, mais informal, à beira da piscina.

Os banheiros com banheira e ducha separadas e amenities Bulgari ou Ferragamo (ou ainda hipoalergênicas)

 Os bares – também quatro, no total – são um capítulo à parte. Além da extensa carta de vinhos, com rótulos de toda sorte e de tudo quanto é continente, e dos destilados de boas marcas, os barmen sabiam preparar todos os drinks clássicos com perfeição e viviam inventando novos coquetéis para fazer graça com os hóspedes (inventaram, por exemplo, um tal de “cucumber martini” pra uma hóspede que pediu um drink diferente e refrescante como pepinos :-P).

Agenda de palestras todos os dias

A agenda de palestras diária foi bem boa, mas poderia ter sido melhor na minha opinião. Tivemos um especialista nos destinos, um astrônomo e um embaixador como palestrantes, mas acho que faltou alguém mais entendido nessa rota (um Amyr Klink, que tal? :-D) para encantar todos os apaixonados pelas navegações que estavam a bordo. No finalzinho da viagem rolou também um especialista em vinhos africanos.

A tranquila vida a bordo, com baita serviço de piscina

O mais bacana dessa série foi  que o astrônomo, além das palestras, promoveu em 3 noites uma observação noturna do céu, lá pela meia-noite, nos decks externos do navio. Coisa linda mesmo.

Um dos 4 restaurantes a bordo
Alta gastronomia todos os dias
Mimo de boas-vindas

Circulei muito pouco por esses ambientes, mas boutiques, cassino, spa e salão de beleza também completam as instalações, é claro. Equipe de recepção ok e equipe do deck de excursões muito gracinha.

O hall das boutiques
Os oficiais entram na brincadeira e são postos para cozinhar massas no deck da piscina 😉

Mas o imbatível de verdade na Silversea, na minha opinião, é o staff em geral. O serviço é louvável, da rapidez com que preparam sua cadeira na piscina assim que você encosta ao lado de uma à gentileza com que te servem um simples copo d´agua (os garçons todos sempre lembram que água você gosta, como você gosta do seu café, se sua bebida vem com gelo ou não etc).  E eles respondem com a mesma simpatia por mais chato que seja o hóspede. Claro que todo mundo se afeiçoa rapidinho a todos eles.

Sem contar que a Silversea sabe tratar os solo travelers como ninguém: logo na primeira noite, rola um “solo travelers get together” pra todo mundo que viaja sozinho já se conhecer de cara (eramos 41 nessa viagem!) e se enturmar. E também tem hosts e hostesses pra garantir que todo mundo esteja socializando e se divertindo na viagem.

Café da manhã servido na cabine
Silversea experience: um jantar em pleno deserto da Namíbia para todos os hóspedes
O fofo capitão Angelo Corsaro à frente de sua equipe na Farewell night

O capitão, o italiano Angelo Corsaro, estava sempre acessível. Todo dia dava uma circulada pelo deck da piscina para bater um papo com os hóspedes na hora do almoço e toda noite convidava alguns passageiros para jantarem com ele.

Staff 100% fofo e eficiente (aqui o barman Oliver que todas as noites preparava meu White Lady com esmero :-D)
O Silver Whisper ancorado em Santa Helena

No saldo final, meu melhor cruzeiro até hoje.  Pela rota, pelo navio, pelo staff e, claro, pelos ótimos companheiros de viagem que tive.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.