No fim do mundo à bordo do Skorpios

63 Flares Twitter 5 Facebook 58 Google+ 0 Pin It Share 0 63 Flares ×

SkorpiosComo foram as 3 noites à bordo do barco Skorpios III, navegando por entre fiordes, icebergs e glaciares no sul do Chile

 

 

“Iuhuuuuuuu… wake-wake….”. É assim, com o som de passarinhos ao fundo e outras bobagens do gênero repetidas por uns dez minutos pelo guia Fernando (inclusive algumas em português, tipo “vambora, gente”), que os passageiros do Skorpios III são acordados todos os dias durante a travessia da rota Kaweskar por entre os fiordes do campo de gelo sul do Chile.

De zodiac, face to face com os glaciares

De zodiac, face to face com os glaciares

Foi nele que embarquei na viagem a trabalho que fiz agora por lá no novo programa Mar y Tierra lançado pela companhia (como conto neste post aqui). Atracado no diminuto píer particular da companhia ao lado do centro de Puerto Natales, o Skorpios III era bem menor do que eu imaginava. Mas por dentro revelou-se espaçoso e confortável, e tivemos 4 dias e 3 noites de uma agradabilíssima viagem na qual mal sentíamos o barco mover-se, mesmo sob o impacto dos ventos de mais de 80km/hora comuns à região (no máximo, ele adernava para um dos lados, e só).

Cruzeiro no SkorpiosCruzeiro no Skorpios

O embarque é descomplicado, sem espera, check in ou raio-X: a gente apenas entrega o voucher da viagem já entrando na embarcação e recebe as chaves eletrônicas para a cabine correspondente. O clima à bordo é absolutamente informal em todos os sentidos: no serviço em geral, nas vestimentas, no restaurante. As cabines são antiguinhas mas muito, muito espaçosas, com grandes janelas para apreciarmos a paisagem que se desenrola do lado de fora do navio (e com banheiros reformados bastante grandes e práticos também, com box e tudo).

A cabine em 3 fotinhos...

A cabine em 3 fotinhos…

 

Cruzeiro no SkorpiosCruzeiro no Skorpios

... e o bar ;)

… e o bar 😉

Não há palestras à bordo (nem internet), mas há frequentemente exibição de filmes ou documentários nos canais de TV das cabines e também nos bares (são dois bares, um na proa e um na popa, no terceiro deck). Mas nem daria tempo, já que a programação é intensa, com uma média de 3 desembarques por dia.

Cruzeiro no Skorpios

A ponte de comando virava ponto de encontro dos passageiros

A ponte de comando virava ponto de encontro dos passageiros

 

Os desembarques são rápidos e bem organizados nos botes do Skorpios III e o staff presta assistência para vestir/tirar os coletes salva-vidas (obrigatórios), entrar e sair do bote etc. Têm agora também um barquinho tipo icebreaker para os desembarques em lugares mais congelados – ao voltar do desembarque do glaciar Amalia, por exemplo, vimos o quão fundamental foi contar com esse barquinho num mar bastante congelado, tomado de placas de gelo.

Um dos zilhões de desprendimentos de gelo que testemunhamos

Um dos zilhões de desprendimentos de gelo que testemunhamos

A maioria dos desembarques inclui uma caminhada em terra até chegar bem próximo de um glaciar ou geleira mas há também um passeio apenas contemplativo em bote e outro no barco Capitán Constantino, onde servem lanche da tarde e o famoso brinde 12/30 (uísque 12 anos com pedras de gelo de 30 mil anos 😛 ). As caminhadas dos desembarques em geral são light (ok, precisei da ajuda dos universitários em algumas descidas :/  ) e a proximidade com os glaciares é mesmo impressionante – não só vimos muitíssimos desprendimentos de gelo nos glaciares que visitamos como pudemos até mesmo tocar (literalmente) no último deles.

Caminhada rumo ao glaciar <3

Caminhada rumo ao glaciar <3

A comida é ok e bem caseira mas inclui centolla, salmão, congrio e outras delicias chilenas, servida sempre como entrada, prato e sobremesa – à exceção do café da manhã tipo buffet, é claro, e do jantar de despedida, nos mesmos moldes. E o bar funciona em sistema open bar durante toda a viagem, do meio-dia à meia-noite, incluindo os vinhos do jantar (cujos rótulos mudam a cada dia) e destilados, fermentados, coquetéis e drinks em geral (incluindo montes de pisco sour, é claro 😉  ).

Cruzeiro no SkorpiosCruzeiro no Skorpios

Minha maior surpresa foi ver que o navio é como se fosse uma extensão da casa da família Cárcamo, proprietária dos cruzeiros Skorpios. Foi o capitão Constantino Kochifas Cárcamo quem criou a companhia há 33 anos; hoje, é seu filho quem comanda o Skorpios III e faz questão de receber os passageiros durante todo o dia com trânsito livre em sua cabine de comando, além de almoçar e jantar no restaurante do navio também. Sua mãe, a doce dona Mimi, é quem supervisiona pessoalmente a cozinha e cuida dos detalhes de manutenção hoteleira do navio, das louças às cortinas. Com fotos de família espalhadas pelo restaurante e pela ponte de comando, frequentemente temos mesmo a sensação de sermos visitas em sua casa.

O simpático capitão explicando detalhes da rota...

O simpático capitão explicando detalhes da rota…

 

... e literalmente tocando o barco ;)

… e literalmente tocando o barco 😉

No nosso cardápio de aventuras, navegação pelos canais patagônicos, Angostura Kirke, Morla Vicuña, Unión, Collingwood e Sarmiento, sempre com fiordes ao nosso redor e eventuais icebergs e placas de gelo aqui e ali, além de desembarques para ver de perto os glaciares Amalia, El Brujo, Fernando, Capitán Constantino, Alipio, Alsino e Bernal.

Cruzeiro no SkorpiosCruzeiro no Skorpios

Se fazia frio? Sim, fazia; mas nada que uma boa jaqueta (impermeável, porque também pegamos chuva) e camiseta térmica não resolvessem (luvas e gorros são também bastante recomendáveis, embora as temperaturas aumentem de dezembro a fevereiro). Dentro do navio, a calefação é constante (e bastante forte) tanto nas cabines quanto nas áreas comuns.

Viagem boa para solo travelers, casais, famílias e grupos de amigos.

63 Flares Twitter 5 Facebook 58 Google+ 0 Pin It Share 0 63 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.