Inverno na Suíça

69 Flares Twitter 12 Facebook 52 Google+ 5 Pin It Share 0 69 Flares ×

IMG_1197 Um resuminho introdutório do meu roteiro de uma semana pelo lindo Canton du Valais, passando por Belalp, Leukerbad e Zermatt.

 

 

Quem me acompanha no Instagram (sorry pela flodagem 😀 ) e demais redes sociais, sabe bem que passei os últimos dias numa viagem pela Suíça, a convite do Switzerland Tourism, o órgão de turismo oficial do país, explorando a linda região do Canton du Valais. Nossa viagem incluiu os destinos de Belalp, Leukerbad e Zermatt (que eu ainda não conhecia) e eu também aproveitei para ficar um pouco antes e depois da viagem de imprensa em Zurique, que eu adoro.

Belalp

Fiz tudo em trem (depois vem post explicando direitinho tim-tim por tim-tim): ida de Paris a Zurique no TGV (com o ticket enviado gentilmente pela Rail Europe no final do ano passado, merci!) e depois todos os trechos na Suíça com um Swiss Pass de oito dias, e foi tudo bem fácil (apesar das baldeações e tal).

Em Zurique aproveitei para revisitar o centrinho e conferir tudo o que Zurich West, o bairro mais descolado da cidade, mudou desde minha visita em 2009 – e ouso dizer que está mesmo sensacional, imperdível, bacanudo.

Belalp Hexe Witches DescendBelalp Hexe Witches Descend

Já com o grupo de jornalistas brasileiros, em Belalp, acompanhamos a 32a. Witches Descent, um campeonato de ski di-ver-ti-dis-si-mo que acontece paralelamente à competição “oficial” (Belalp Hexe Ski Race) que vai de Hohstock a Blatten. Nessa segunda etapa do evento, pós corrida “séria”, os participantes (milhares!) descem as pistas munidos de seus skis e… vassouras! Estão todos fantasiados (em sua maioria de bruxas) e, em geral, munidos de bebidas alcoólicas e petiscos em suas mochilas, promovendo uma grande e divertida confraternização internacional de esquiadores de todas as idades ao longo do dia – são 12km de extensão com uma diferença de altitude de cerca de 1800m ao longo da corrida, que exige um nível médio de habilidade no esporte. Mas quem não esquia ali também se diverte muito, como num mini carnaval.

As belas termas de Leukerbad...

As belas termas de Leukerbad…

Na fofíssima Leukerbad, o maior resort de spa e bem estar dos Alpes, exploramos as águas termais da região, originárias, veja só, do degelo das montanhas que a rodeiam – 3,9 milhões de litros, a uma temperatura de 51 graus, que jorram diariamente nos spas da cidade (e que já eram apreciadas ali desde os tempos dos romanos).

... e o clima cool na cidade

… e o clima cool na cidade

Ali também rolam pistas de ski, há um centrinho charmoso, restaurantes e hotéis estrelados e as tradicionais saunas suíças (mistas e com nudez compulsória) – que, oh la la, eu experimentei 😛 – , além de outras atividades, como subir no alto do Gemmipass e observar a cidade encravada no meio de penhascos e desfiladeiros lá do alto (um passe especial de neve e banhos dá acesso a todos os esportes de inverno nas montanhas Torrent e Gemni e também aos banhos termais dos spas alpinos Leukerbad Therme e Walliser Alpentherme & Spa Leukerbad, bem legal).

Zermatt cobertinha de neve no meu primeiro amanhecer na cidade

Zermatt cobertinha de neve no meu primeiro amanhecer na cidade

E Zermatt, a menos off the beaten deste roteiro (já que é queridinha de alguns brasileiros há tempos), me cativou justamente por oferecer tanto por se fazer ali e em seus arredores mesmo para quem não está interessado em esquiar – sem falar na vista impagável que se tem do Matterhorn (sim, aquele do Toblerone) da cidade nos dias de céu claro. Ali carros são proibidos e só circulam pequenos veículos elétricos para transportar bagagens, cargas e passageiros. E você nem sente falta deles: a cidade é gostosa para caminhar ao ar livre, cheia de lojinhas, cafés e restaurantes (e com vida noturna agitadinha), e há uma variedade impressionante de trens e teleféricos para chegar às montanhas mais próximas, em passeios lindíssimos – como Gonergrat, a 3.100m de altitude (para ver de pertinho o Matterhorn, o Monte Rosa e o glaciar Gorner) e o Klein Matterhorn/Glacier Paradise, que chega ao ponto mais alto da Europa em um teleférico, 3.800 m de altitude.

Matterhorn

Amanhecer com lua visto da minha janela <3

Amanhecer com lua visto da minha janela <3

E a viagem foi tão redondinha que, no voo de volta ao Brasil agora, o menu servido a bordo da SWISS era justamente “menu Canton du Valais”, com pratos e vinhos típicos da região no cardápio 😉

Nos próximos posts você confere tudo isso em detalhes. Guentaê 😉

 

Para ler todos os posts desta viagem, clique AQUI.

69 Flares Twitter 12 Facebook 52 Google+ 5 Pin It Share 0 69 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.