O mito da Monalisa

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

Praticamente toda vez que venho a Paris vou ao Louvre. Gosto do museu e a verdade é que eu acho que nunca terminamos de vê-lo (o acervo é impensável!), além das mostras temporárias também serem sempre interessantes. E, como todo mundo que vai ao Louvre, eu também sempre dou minha passadinha diante da Monalisa; e toda vez eu fico me perguntando qual é a relação que aquelas pessoas amontoadas na frente dela têm com a obra de arte.

Porque, sinceramente, a maioria delas está muito mais preocupada em fotografá-la que em vê-la. Só ouço falatório e obturadores disparando; ninguém ali parece estar prestando atenção nela de veerdade. Cheguei ao cúmulo de ouvir dessa vez um marido (brasileiro, por sinal) dizer à sua mulher enquanto a mesma tentava vencer a multidão para ficar face a face com a obra e lhe perguntava “mas você não vem?”; e ele: “Não, tem gente demais. Depois eu vejo na foto”.

Ok, não precisamos chegar ao extremo dessa senhora russa que atirou uma xícara de café (!!!) no quadro nessa terça-feira – até porque parece que ela realmente não estava no “pleno uso de suas faculdades mentais”. Gostar ou não gostar é outra história – assim como a maioria das pessoas que conheço achou o quadro pequeno demais quando o viu pela primeira vez. De qualquer maneira, acho que é preciso ter alguma reação diante dela, não? (ou diante de qualquer outra obra de arte, que fique bem claro).

Dentre a infinidade de turistas que se acotovelam ali, não pude contar número suficiente para encher uma mão de gente que, como eu, dedicava uns minutinhos para tentar desvendar o sorriso de La Gioconda (ou algo do gênero). Ha anos estudiosos tentam interpretar o mais famoso quadro de Da Vinci e tudo que vi dessa fez, no meio da multidao, foram duas japonesinhas comentavam entre elas sobre detalhes do quadro, apontando aqui e ali, e dois outros caras, cada um com seu audioguia, ouviam alguma explicação no dito cujo enquanto olhavam a obra. (Ok, tinha também um grupo de alemães espremido no cantinho acompanhando a explicação do guia sobre a obra, mas eles sempre parecem meio aereos pra mim). O restante falava em altos brados, num vozeirio irritante, enquanto disparava fotos e mais fotos (com flash!!!) daquele quadro tão pequenininho, naquela parede tão grande e vazia. “Eu quero ver a Monalisa!”, esperneou um menininho americano ate que o pai o colocou sobre os ombros para que pudesse ver – e dai ele fez cara de ué.

Bom, considerando que, segundo uma funcionária do museu me disse, a grande maioria dos visitantes vai direto à Monalisa e à Vênus de Milo e deixa o Louvre em seguida, então tá. Mas eu nunca vou enteder, juro.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.