Para onde o viaja o mercado de luxo

5 Flares Twitter 5 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 5 Flares ×

Para quem curte acompanhar notícias do setor, duas pesquisas recentes tiveram por intenção “mapear” o turismo de luxo da atualidade. A primeira delas, batizada de Travel Dreams e promovida pela rede Virtuoso®  (famosa por criar experiências excepcionais em viagem,)  entrevistou 8,000 leitores de sua publicação Virtuoso LIFE para esse mapeamento (os depoimentos foram colhidos no começo do ano mas publicados somente agora em junho). Ali apareceram coisas como a Austrália como o destino de sonho número 1 pelo terceiro ano consecutivo, e Paris , Roma e Florença entre os destinos mais citados seja para escapadas, viagens culturais, gastronômicas etc.

Interessante ver que, neste ano, a pesquisa dividiu seus entrevistados em cinco “personalidades viajantes” diferentes do mundo do turismo de luxo que, guardadas as devidas proporções (e com pequenos ajustes, bien sur), também poderiam ser utilizadas como segmentadoras nas demais esferas do turismo em geral: o  Go-Getter (23%; o aventureiro, que quer ver e fazer TUDO durante as férias), o Connoisseur (23%; se preocupa com experiências premium em vinhos, gastronomia, arte e arquitetura em suas viagens),  o Classic Traveler (20%;  é leal aos lugares que ama e acaba retornando diversas vezes a seus lugares favoritos), o Relaxationist (17%; aquele que quer ir pra bem longe de tudo e se desligar, relaxer, revigorar) e o Trendsetter (17%; só fica ligado nas futuras tendências e se interessa em viajar para os lugares que começam a atrair a atenção de viajantes timidamente). E, claro, tem gente que é mesmo tudoissojuntoemisturado 😀

Ainda nessa pesquisa, apareceram como as três mais desejadas viagens dos entrevistados (vejam só!)  1) fazer um cruzeiro de volta ao mundo, 2) alugar uma villa na Europa e 3) fotografar os big five num safári africano, nessa ordem. Os safáris africanos aparecem também como vencedores na categoria “melhores férias em família”. Os top 3 destinos são Austrália, Itália e Nova Zelândia (o Brasil não aparece entre os 10 primeiros).

A segunda pesquisa, elaborada pela Pangaea Network, rede internacional de consultores em turismo, monitorou cerca de 800 profissionais de turismo (agências, operadoras e especialistas) do Brasil e mais 7 países ( China, França, Alemanha, Espanha, Itália, Países Baixos e Reino Unido). Uma das constatações óbvias é que apesar da crise na Europa e nos EUA, em geral o mercado está crescendo, especialmente em países emergentes como o Brasil e a China. Metade dos entrevistados em todos os países participantes declararam que normalmente reservam mais de 4 viagens de luxo por ano para cada cliente, enquanto 33% possuem clientes que viajam 2 a 3 vezes por ano.

As reservas são realizadas na maioria das vezes por mulheres e para viagens em casal, com crescimento do interesse por pacotes sob medida, além da possibilidade de provar novos serviços, hotéis e destinos (48,7% dos entrevistados no Brasil garantiram que seus clientes procuram experiências gastronômicas em viagem – muito popular também entre os ingleses, chegando a 75% dos entrevistados por lá).

Em tempo: para os operadores de turismo entrevistados há expectativa de crescimento do interesse turístico no Brasil e também em Oman, Myanmar, Vietnam, África do Sul, Moçambique e Emirados Árabes. Hum.

5 Flares Twitter 5 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 5 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.