Passeio de um dia a Nápoles e Pompéia desde Roma

3 Flares Twitter 0 Facebook 2 Google+ 0 Pin It Share 1 3 Flares ×
O Frecciarossa: achei carinho mas bem confortável

CONHECER Nápoles (sou da turma que gosta bastante da cidade) e CONHECER Pompéia, no mesmo dia, na minha opinião é coisa que não dá. As ruínas de Pompéia a gente conhece bem num dia, mas Nápoles é uma cidade grandinha. Agora, fazer um bate-e-volta de Roma para conhecer Pompéia e dar um rolê básico em Nápoles é algo perfeitamente possível na minha opinião. Eu mesma já fiz isso: ir cedo, percorrer Pompéia todinha e pro final da tarde dar um passeio em Nápoles, ver o mar, comer um bela pizza napolitana e um sorvetinho é um programão.

O trem da Circunvesuviana: pegamos um excelente na ida e um velhaço, caindo aos pedaços e com cheiro terrível, na volta 

 Era isso que tinha planejado nessa “Roma com amigos” de novembro passado. Mas tivemos uns percalços e, well, se por um lado Pompéia deu bem certo, Nápoles simplesmente não rolou.
Não queriamos acordar muito cedo, então pegamos um trem a Nápoles das nove da manhã. Um Frecciarossa ótimo (comprar pela internet antecipadamente pode garantir umas promos – tks, JB!), com wifi, assentos confortáveis, rapidão, tudo beleza – só que houve um pepino na ferrovia e ficamos quase uma hora presos. Chegamos a Nápoles já bem atrasados mas conseguimos bem rápido pegar o trem da Circunvesuviana para chegar a Pompéia (ainda não sabemos o porquê, mas pegamos as catracas liberadas na ida; mas o melhor é já comprar ida e volta, por praticidade). O dia estava feio e não demorou muito para começar a chover.

 Da estação de Pompéia à entrada das ruínas são, literalmente, minutinhos de caminhada. Pegamos a bilheteria (11 euros) quase sem fila. Fizemos a maior parte do passeio por Pompéia sob chuva mas nem por isso achei menos interessante; perde em beleza, claro, com o dia tão cinza. E chateia, porque a gente não tem onde se esconder da chuva nunca (exceto pelo restaurante). Mas continuo achando aquelas ruínas incríveis; passamos horas e horas nesse passeio e só saimos do parque quando já estava bem perto da hora de fechar. As termas, as colunas, anfiteatro, cerâmica, mosaicos… gostei como se fosse pela primeira vez.

 No final da tarde, ainda sob chuvinhaa fina, voltamos à estação de Pompéia para pegar o trem de volta a Nápoles – não tinhamos muito tempo, então pensamos em só comer a napolitana da Da Michele e voltar a Roma (nosso trem era de sete e pouco da noite). Mas Murphy-amigo nos pregou outra: o trem, que costuma dar as caras de vinte em vinte minutos em média, atrasou uma eternidade e chegamos a Nápoles, infelizmente, muito tarde. Só tivemos tempo para um cafezito na estação mesmo antes de pegar o trem de volta a Roma. Mas, ó, acho que, mesmo sem Nápoles, o passeio valeu, viu?

P.S.: para efeito de informação, pagamos 49 euros o trem Frecciarossa ida e volta a Nápoles (dá pra ser mais barato se pegar promo melhor ou se tomar o regional, que demora mais) e 2,80 a perna de Nápoles a Pompéia pela Circunvesuviana.

3 Flares Twitter 0 Facebook 2 Google+ 0 Pin It Share 1 3 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.