Puerto Natales: gracinha de cidade

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×
O muelle de los pescadores no fim de tarde

 Puerto Natales é a base de hospedagem para a maioria das pessoas que visitam a Patagônia Chilena. É claro que existem as hospedagens dentro do parque – de hostais aos ótimos Patagonia Camp e Tierra Patagonia, sobre os quais já contei aqui no blog – mas Natales acaba sendo o grande coração de mãe que recebe os viajantes do mundo inteiro que se aventuram pela região.

 Natales é uma gracinha. Não pode ser chamado de pueblo porque sua população flutuante é impressionante, sobretudo nos meses de verão. Mas também não chega a ser uma cidaaaaade. E tá aí o grande barato.

A arquitetura é a típica arquitetura colonial do sul do Chile, com casas construídas em madeira ou, mais comum ainda, com chapas de ferro; afinal, sempre foi um porto de pescadores.

 A maior fofura de Puerto Natales são suas cores: as casas – das paredes aos telhados – são sempre muito coloridas, e geralmente em cores bem fortes e vivas.

 A coisa teria começado a muitos anos, como uma forma não só de distinguir as casas parecidinhas e construídas com os mesmos materiais, mas também para “aquecer” um pouco as paredes para enfrentar o frio rigoroso que faz por ali.

 Para nós, turistas, que hoje contamos com eficientíssima calefação em qualquer hotel dali, ficou o colírio para os olhos: esse show de cores capaz de alegrar até um dia cinzento assim, debaixo de chuvinha congelada.

 A cidade é pequena e ali dá pra fazer tudo a pé, facinho, mesmo com tantas subidas e descidas – as ruas são todas sinalizadas e as quadras super bem demarcadas.

 Segura que só ela, deixa a gente à vontade para passear mesmo de noite. O comércio fecha as portas bem cedinho, em torno das 18h (no verão as lojas costumam ficar abertas até mais tarde); mas logo depois desse horário são os bares e restaurantes que dão vida ao local, sobretudo nas proximidades da pracinha central, da Igreja Matriz.

O Milodón está não apenas em todas as placas de ruas, mas também assim, gigantão, em frente a algumas lojas
A igrejinha matriz
Um footing básico no comecinho da noite

 Como os hotéis de Natalaes não têm nada de vida noturna – depois do jantar, até os bares dos mesmos costumam fechar – quem faz questão de umas saidinhas noturnas tem mesmo que se aventurar pelo centro, dos barzinhos à tradicional cervejaria artesanal local.

 Além das casas multicoloridas, o centro tem uns murais incríveis, em geral contando a história dos povos indígenas que deram origem a Natales, como abaixo.

 Quem quer fazer comprinhas, de lãs e souvenirs, o centrinho é o canal; lojinhas (algumas até bem grandes e variadas), barracas e feirinha de artesanato, está tudo lá.

 E ainda tem um povo quietinho mas simpático pra caramba. Mesmo os mais pequerruchos 🙂

Fofura.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.