Reveillon em Copacabana: para quando você for

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

Tive a super sorte de ser ciceroneada nesse reveillon express no Rio por meus lindos amigos cariocas. Então já recebi de antemão dicas preciosas para que a Virada em Copacabana fosse curtida ao máximo, com o mínimo de stress – e vou repassa-las aqui, pra já deixar arquivadinho para futuros reveillons. Afinal, 2012 começou tão bem que acho que o mundo não vai acabar em dezembro, não 😉

Multidão:  vai ter gente, muita gente, provavelmente a maior quantidade de gente junta que você já viu na sua vida. Em toda parte tem muvuca. Isso é fato.

Chuva: a probabilidade de chuva na virada carioca é sempre grande. Mas ela não costuma ser trash, e nem foi esse ano. Foi insistente, o que gerou uma quantidade imensa de guarda-chuvas circulando juntos. Quando chove, fica mais apertado pra circular e tem que tomar cuidado e desviar de gente que não sabe segurar um guarda-chuva adequadamente. Se você puder levar capa de chuva com você, melhor; vc veste quando chove, tira se der trégua, e não interfere na circulação.

Hospedagem: se quer aproveitar de verdade a virada em Copa, fique hospedado em Copa. Quem vem de qualquer outro bairro sofre muito, na ida e na volta, com o trânsito que simplesmente não anda e com a falta de transporte público para todo mundo. Se você já estiver hospedado em Copacabana, vai fazer todos seus deslocamentos a pé, numa boa, sem stress. O máximo que vai acontecer é caminhar várias quadras sob chuva – mas quem vai à praia, é pra se molhar, né? :-))))))

Entretenimento: são vários os palcos espalhados por Copacabana, cada um com a “agenda” de horários e artistas fixadas previamente, pra todo mundo poder programar “onde” quer assistir os shows. A acústica é super bem pensada e a música de um não atrapalha em nada, nada a música do outro. E tem opção para quase todo tipo de gosto musical.

Na areia:  a areia lota, e isso é fato. Porque todo mundo quer estar ali na hora da virada, óbvio. A maioria fica em pé, em turma, pra curtir a hora H. Mas várias barracas instaladas na própria areia que “alugam” cadeiras para a virada por entre 15 e 20 reais cada, pra quem quer um pouco mais de sossego. Vale ter em mente que banhos de champagne e cerveja acontecerão inevitavelmente à meia-noite 😉

O after-party:  se você só quer curtir a virada na areia mas não planeja ficar para nenhum show público, tem muitas festas que rolam madrugada adentro em vários bares, barracas, restaurantes e casas do bairro. Os preços, em geral, começam nos 400 reais por pessoa. E é melhor se informar bem perto da data, pra não dar erro (vários lugares vendiam ainda tinham vários convites à venda no próprio dia 31).

Transporte: se você precisar de táxi para a virada, chame bem antes da hora de sair, porque eles vão demorar – a procura é muito, muuuuuito grande, na noite do dia 31 e também no dia 1o. Os deslocamentos são bem complicados e demorados porque várias ruas e avenidas do bairro ficam fechadas para o trânsito desde a tarde do dia 31. E se for utilizar metrô, TEM que comprar os tickets na véspera da véspera, dia 30 de dezembro – anote isso, que é importante. Se pretender voltar da virada de táxi para outro bairro, espere até umas 3 da manhã, quando o trânsito começa a fluir melhor.

Táxis: os táxis operam no período de festas cariocas durante todo o mês de dezembro (como bem me corrigiu a Sylvia) sempre com bandeira 2, não importa o horário. E na manhã do dia 1o. de janeiro continuam bem escassos – mesmo os “rádio táxis” (o meu demorou 45 minutos para chegar). Se tiver voo ou ônibus logo cedo, peça o táxi com bastante antecedência (eles não deixam marcar de véspera para essa data, não).

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.