RR Tur: sinônimo de mico

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×
Após mais de uma semana de ausência neste blog, voltei! Desculpem a ausência, mas foi altamente necessária. Fui fazer um cruzeiro “Bem-Estar” também na tentativa de aliviar um pouco o stress pessoal e a deprê atual; por isso acabei, literalmente , me desconectando do resto do mundo.
Mas, antes de contar do cruzeiro, tenho que contar sobre o fim da viagem. Contratei o serviço de uma empresa de Americana chamada RRTur Viagens e Turismo para o trasfer do Porto de Santos até Campinas. Após muita demora e enrolação para sair do porto (a guia não conseguia nem ir atrás dos passageiros faltantes e precisou de ajuda de vários dos outros passageiros para quase tudo), subimos a serra rapidinho e atravessamos a marginal em tempo recorde – e olha que era sábado de Carnaval! Eis que no finzinho da marginal, quase na alça de acesso à Anhanguera, o ônibus pifa. Totalmente. Tudo. A guia nos diz calmamente que um outro ônibus viria em no máximo quarenta minutos, porque aquele em que estávamos realmente não tinha mais como sair do lugar.
Todo mundo esperando o socorro que não vinha…
Estávamos literalmente no meio do nada, em plena marginal, e o motorista não conseguiu nem levar o veículo para o acostamento. Ele não tinha triângulo (!) e não tomou nenhuma providência para sinalizar a parada do ônibus; os próprios passageiros precisaram ir atrás de um cones de sinalização na estrada para fazer com que o ônibus parado no nada pudesse ser visto com antecedência pelos outros veículos.
A sinalização que os próprios passageiros tiveram que improvisar…
Além de não ter triângulo, o motor do ônibus estava em petição de miséria, e não havia mais óleo no freio! As pessoas precisaram usar o banheiro, mas estava quebrado! E olha que tinha uma moça no oitavo mês de gravidez e vários idosos no grupo!
Olha a preocupação do motorista…
Com a desculpa de que “em alguns minutos o novo ônibus chega”, a guia foi tentando enrolar o pessoal. Mas daí o pessoal se zangou e descobrimos que era tudo uma baita enrolação: a empresa é totalmente desestruturada e não tinha ainda conseguido contactar um outro veículo para nos “salvar” até então, com quase duas horas de espera.
Como a lei diz que se em duas horas não for providenciado o transporte pela empresa o próprio passageiro pode providenciá-lo e exigir reembolso, todos decidiram que era hora de deixar o local – fora do ônibus já estavam quase todos, pois o veículo nem tinha mais ar condicionado funcionando. Mas, como estávamos no meio do nada, simplesmente não havia como pegar táxis! Todos ilhados e nervosos, começaram as discussões com a guia e o motorista e eles abriram o jogo, dizendo que a empresa é assim desorganizada mesmo, que tinham avisado o supervisor e o cara não tomava providência nenhuma e que a tal da RR Tur teria mesmo, de praxe, descaso por passageiros e funcionários.
Eis a guia desabafando após enrolar e enrolar os passageiros….
Muito stress e um sol de rachar a cabeça depois, com quase três horas de espera, chega o outro ônibus. E para passar as malas pra ele? Os porta-malas haviam enguiçado e foi preciso arrombá-los com um pé de cabra!!! E mais: os próprios passageiros precisaram fazer o transporte das malas de um veículo para o outro!!!
Bom, após um tempo para reflexão, só há um consenso entre os passageiros, que já estão se organizando para entrar na justiça: RRTur é sinônimo de mico!
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.