Tasmânia

3 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 1 Pin It Share 2 3 Flares ×

TasmaniaA ilha mais famosa da Austrália é mesmo sensacional

 

 

 

 

Se tem um lugar da Austrália que eu sempre sonhei conhecer, muito mais que Sydney e a Grande Barreira de Corais, sempre foi a Tasmânia. Essa ilha sempre me despertou uma curiosidade imensa – e as poucas pessoas que conhecia que já tinham ido pra lá tinham voltando totalmente encantadas.

Tasmania

Se na visita anterior ao país não consegui chegar até lá, desta última vez não deixei a ilha me escapar de novo; passei uma semana incrível, amei praticamente tudo e não vejo a hora de voltar para conhecer as partes da ilha que ficaram de fora.

Tasmania

São menos de duas horas de voo que separam Hobart, a capital da Tasmânia, de Sydney ou Melbourne, com diversas opções diárias de voos (há voos diretos de outras partes da Austrália continental também). Fui em maio, outono no país, e peguei dias frescos (temperatura entre 15 e 20 graus durante o dia, e um noites um pouquinho mais frias) e mais chuva que sol – mas aproveitei muito cada instante.

Tasmania

Foquei minha viagem nos três itens que todo mundo que eu conhecia que já tinha visitado elogiava mais: a comida, os vinhos e a natureza exuberante. E acho que foi uma escolha acertadíssima. Montei base na capital Hobart e, por isso mesmo, me dediquei a explorar a porção sul da ilha – o norte vai ficar para a próxima visita; afinal, a Tasmânia é uma ilha grande, alguns deslocamentos são mais longos e não dá pra explorar mesmo tudo em apenas uma semana.

 

Tasmania

Como estava sozinha, financeiramente não compensava alugar carro. Fiquei hospedada a semana toda no ótimo Herny Jones Art Hotel, que recomendo muito, instalado cheio de bossa e obras de arte numa antiga fábrica de geléias em pleno waterfront de Hobart, pertinho dos restaurantes e atrações mais legais (em Hobart, fiz absolutamente tudo à pé).

Henry Jones Art Hotel

A vantagem de ficar em Hobart é a infra hoteleira que tem ali, as boas opções de vida noturna e também porque os mais premiados restaurantes da ilha ficam ali mesmo – meu preferido foi, de longe, o Franklin, instalado num espaço tipo loft que já foi showroom da Ford nos anos 20. O restaurante do chef David Moyle tem menu que muda diariamente e pratos servidos com opções de tamanho diferentes para que se possa compartilhar e experimentar o máximo de sabores possíveis (e tem um balcão incrível na boca da cozinha aberta para quem janta sozinho e uma trilha sonora excelente).

A ponte mais antiga da Austrália fica em Richmond, na Tasmânia

A ponte mais antiga da Austrália fica em Richmond, na Tasmânia

Para conhecer as demais localidades, peguei tours diários com empresas que fazem tours para grupos pequenos – e gostei bastante. Um dos mais legais foi um day tour de vinhos que fiz com a The Long Lunch Tour Co., uma companhia especializada em tours focados em vinhos e gastronomia para grupos pequenos. Éramos apenas oito na van e passamos o dia visitando vinícolas (como Coal Valley e Pooley Wines) , degustando vinhos e provando queijos, compotas, ostras, cerveja, cidras, pães produzidos localmente (duração de mais ou menos 6h).

TasmaniaTasmania

O outro tour predileto foi o tour gastronômico à linda Bruny Island, uma das ilhotas da Tasmânia, feito com a Pennicott Wilderness Jorneys, de dia inteiro. O passeio inclui a viagenzinha em van até o porto de Kettering, de onde partem os ferries à ilha; e depois em van e à pé por Bruny Island, com direito a visitas incríveis a produtores locais de ostras, vinhos, cervejas, pães, queijos, chocolates e até uísque e muitas andanças para ver as belezas naturais da ilha, das montanhas e praias à vida selvagem, que inclui os incríveis wallabies albinos.

Tasmania

O que ver e fazer 

Do avião mesmo, a gente vê como a Tasmânia impressionantemente verde e ainda em boa parte selvagem. Praias desertas, florestas tropicais densas e vida selvagem abundante (cangurus, wallabies, golfinhos, leões marinhos e inúmeras aves, por exemplo) são constantes nos passeios pela ilha. Há fartura em opções de esportes de aventura e trekkings por quase toda parte. Seus encantadores vilarejos guardam preciosidades tombadas pelo patrimônio mundial, como a adorável Richmond, que exibe entre outras lindezas a mais antiga ponte australiana. Além disso, na última década a Tasmânia virou também um dos principais destinos gastronômicos no continente pelo frescor e qualidade dos alimentos (o conceito farm-to-table é praticamente regra ali) e os excelentes vinhos produzidos localmente.

Tasmania

Tasmania

Para quem for também com esse foco nos vinhos e na gastronomia (a Tasmânia anda aparecendo em todas as publicações internacionais com esse gancho mesmo, e já conta com premiadas escolas de gastronomia, como a Agrarian Kitchen, em seu território), vale saber que a maioria dos produtores de queijos, geleias, fudges, frutas, ostras, trufas etc são pequenos e familiares – incluindo a maioria de suas 200 vinícolas (cujos vintages compõem ao menos um quarto dos vinhos mais premiados do país).

Tasmania

Bruny Island é passeio imperdível também, nem que seja por um dia, como eu fui – mas muita gente fica para dormir, o que deve ser um programão também. A ilha é ocupada pelo South Bruny National Park e é famosa pelas “bushwalks”, que os amantes de trekking adoram. Há fartura em passeios de barco também, seja para ver praias e baías, ou para ver de pertinho focas, pinguins e golfinhos. E, claro, uma variedade impressionante de pequenos produtores de alimentos e bebidas cujos produtos estão entre as coisas mais gostosas que já provei na Austrália.

Tasmania

Tasmania

Minha parada preferida foi provavelmente a Bruny Island Cheese Co, do jovem Nick Haddow e sua esposa Leonie, que produzem alguns dos mais frescos e saborosos queijos artesanais que já provei. Pedidaça degusta-los na varanda da loja acompanhados de pão assado na hora e a Farm Ale que produzem ali mesmo também.

Tasmania

Em Hobart, a maior cidade (e ainda assim com jeito de pequenininha e bem fácil de explorar a pé), as opções de passeio são muitas. Há ruas comerciais, com lojas locais nas ruas e pequenos shopping centers. Parques, prédios históricos, ótimos restaurantes, divertidos e charmosos cafés, bares e clubs – Hobart tem um pouco de tudo. Vale ao menos espiar o Salamanca Market (cheio de lojinhas, cafés, barraquinhas e ótimos restaurantes) e a divertida Lark Distillery, que conta não apenas com bela produção própria de uísques como também com a maior coleção de rótulos da bebida na ilha (e um excelente bar em pleno centro de Hobart).

Tasmania

Para os fãs de cervejas artesanais, talvez a melhor pedida seja a Two Metre Tall Company, que utiliza água da chuva e do rio Derwent para criar suas cervejas – incluindo uma que leva suco de maçã na sua composição, a Huon Dark Ale.

Praias lindas e incrivelmente desertas (e água gelaaaada!)

Praias lindas e incrivelmente desertas (e água gelaaaada!)

Das muitas praias, vilarejos e fontes de água mineral que visitei na ilha, acho que o lugar cuja beleza mais me impressionou foi o pedacinho de Bruny Island chamado “The Neck”, que é justamente onde a ilha afina, formando uma espécie de pescoço, banhada por água dos dois lados. Uma escadaria em madeira leva ao alto de um impressionante mirante, de onde é possível ver toda a ilha.

MONA Tasmania

O wallaby albino!

O wallaby albino!

A imperdível bossa do MONA

Se tem um lugar que em tudo que eu li sobre a Tasmânia aparecia grifado como absolutamente imperdível, esse lugar é o MONA, o Museu de Arte Nova e Antiga da Tasmânia. E vou repetir pra vocês o bordão: é imperdível mesmo!

MONA Tasmania

Instalado em meio aos vinhedos da premiada vinícola Moorilla, o MONA é um dos museus mais incríveis que eu já visitei. A visita, na verdade, já começa ao tomarmos no waterfront de Hobart o ferry que leva diretamente às suas portas: o próprio barco já é repleto de instalações de arte, de assentos em formatos bem pouco convencionais ao bar e banheiros grafitados. E o passeio é lindo, com direito à lindas vistas tanto de Hobart quanto da ilhota do museu e seus arredores.

MONA TasmaniaMONA Tasmania

O prédio da maior galeria de arte privada da Austrália é arquitetonicamente tão dramático quanto seu acervo  (apresentado genialmente em galerias irreverentes, espalhadas por distintos andares subterrâneos) e abriga mais de 460 obras de arte do empresário David Walsh, A gente visita o espaço de baixo pra cima (ao lado do começo da mostra há um bar mais legal que eu ja vi num museu), acompanhado de um ipod que serve de guia da visita, oferecendo o itinerário ideal para visitação, imagens e explicações de cada obra e uma trilha sonora incrível, super fora do óbvio, escolhida pelo próprio Walsh.

MONA Tasmania

Quem deixa apenas um par de horas para visitar o local acaba se frustrando terrivelmente – o MONA é passeio para ao menos um período completo do dia, quando não de dia todo. Como a gente tem que comprar ida e volta do ferry antecipadamente, recomendo pensar bastante antes no que quer fazer por lá para garantir que você tenha tempo suficiente para explorar tudo o que quiser na ilhota.

MONA Tasmania

No museu em si, eu recomendo duas horas para a visita bem feita (a duração, claro, vai de cada um, de gostar menos ou mais de cada ala etc). O museu fica aberto das 10 às 18h mas há outras coisas legais para fazer por lá, incluindo os próprios vinhedos da Moorilla à beira do rio Derwent. Os jardins que contornam o museu (entre uma ou outra obra de arte externa) são incríveis, com espaços para drinks, lanches etc, e belíssimas vistas. É possível visitar os vinhedos e fazer degustação de seus ótimos vinhos no winebar-adega instalado em meio aos lindos jardins. Fiz a visita da vinícola com degustação e gostei muito; mas é possível também apenas degustar os vinhos à la carte. Para os cervejeiros, vale avisar que o winebar serve também a Moo Brew, a cerveja artesanal que a Moorilla começou a produzir.

MONA Tasmania

O ultra-simpático winemaker da Moorilla durante a degustação

A ilhota abriga também um belo hotel boutique da Moorilla com oito enormes suítes em formato pavilhão com vista para o rio e design ultra contemporâneo para quem quer hospedagem com o máximo de sossego.  O belo prédio de arquitetura super contemporânea que abriga a recepção do hotel é onde fica também o excelente Source restaurante, aberto para almoço e jantar – almocei ali depois de visitar o museu e recomendo muitíssimo, menu delicioso. Programaço.

 

 

Leia mais sobre a Austrália aqui.

3 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 1 Pin It Share 2 3 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.