Trip plugada

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×


Ainda que não me agrade o uso de celulares nos aviões, como disse no post sobre a nova onda da TAM – tudo bem, eu sou maníaca com isso mesmo… – devo admitir que hoje, pra mim, é absolutamente impossível pensar em viajar sem estar plugada. O notebook é o primeiro item que entra na mala, absolutamente imprescindível, e fico louca da vida quando não há conexão eficiente (ou por um valor humanamente pagável), seja para falar com amigos e família, seja para continuar trabalhando.
E a onda é mundial mesmo. Na maioria dos hotéis, ainda que muitos cobrem separadamente por isso, a internet sem fio virou item tão obrigatório quanto a cama. Nos aviões, também já está virando moda – na American Airlines, por exemplo, até quem viaja de econômica em vôos diretos entre Nova York , São Francisco, Miami e Los Angeles fica conectado depois dos 10 mil pés de altitude – pagando de US$ 9,95 a US$ 12,95 – mas não pode usar voz sobre IP, tipo Skype. A Emirates também está testando a tecnologa em algumas rotas, mas estranhamente cobra por utilização – US$ 1 por email enviado, por exemplo.
E nos trens a coisa não fica pra trás, pelo menos na Norwegian Railway – pela qual eu viajei em maio passado – e na Rail Europe, que desde o começo do ano mantêm seus viajantes plugados durante todo o percurso, utilizando o serviço em esquema de cartões pré-pagos.
E viva a tecnologia.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.