Vale Sagrado: vá, vá, vá!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

Não precisei nem chegar ao Peru pra perceber que tinha planificado errado minha viagem. Muito pouco tempo pra tudo, muita coisa deixada de fora. Mas pouca coisa me deu um pânico tão grande quando pensar que eu iria embora do país sem nem ter pisado no famoso Valle Sagrado de los Inkas.
Então eu fiz o que faz a maioria dos turistas que visita Cusco: comprei um passeio de um dia, tipo bate-e-volta, para o Vale Sagrado. Dá pra comprar em qualquer uma das 16783498738765 agências da cidade – vai custar sempre 25 soles – algumas, abusadas, cobram 30. Só que não vale comprar só o passeio: tem que comprar o “boleto turístico”, que dá direito a entrar nos sítios arqueológicos – 70 soles (estudante sempre tem meia entrada lá).
Não espere nenhum glamour no passeio. O passeio sai todos os dias, zilhões de micro-ônibus, da pracinha atrás de Plaza de Armas. É assim: não importa com quem vc tenha comprado o seu passeio, eles vão enchendo os ônibus um a um até lotar e sair. CoUsa de dodjo. Mas funciona.

Dei sorte de pegar um guia gente finíssima – e um ônibus quase 100% mochileiros sul-americanos (eu era a única exceção 😀 ). Logo de cara, o guia Jorge foi perguntando: “vcs estão a fim de fazer compras ou conhecer a história peruana?”. Trato feito, tivemos full tour histórico, sem parada para comprinhas (o único mico foi o almoço buffet).

O Jorge nos explicou tintim por tintim cada detalhe, de cada canto, de cada pedra. Tinha seus momentos Lair Ribeiro., mas era cultíssimo, adorei. E nunca subi tanta montanha na minha vida.

 Meu veredito? Vá, vá e vá. Mas, se puder, fique. Fique 1 ou 2 noites por lá, pra poder conhecer tudo direitinho e não só os 3 lugares principais (Ollantaytambo, Pisaq e Chinchero). Se não der, vá como eu, no bate-e-volta. Imperdível.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.