Compras em Cingapura

10 Flares Twitter 3 Facebook 6 Google+ 0 Pin It Share 1 10 Flares ×

DSC04325

De eletrônicos a moda vintage e bobageiras em Chinatown, Cingapura tem de tudo

 

Sempre li textos falando sobre “as maravilhas das compras de eletrônicos em Cingapura” e confesso ter ficado bem decepcionada nesse aspecto durante a viagem para lá. Como vocês já sabem, parti minha lente predileta da câmera SLR ao meio em Bali e precisei comprar outra assim que retornei a Cingapura. A lente não foi caríssima, não; mas foi mais cara do que custa nos EUA, por exemplo, e mais cara até do que eu tinha pago pela mesmíssima lente quase um ano atrás em Madri .

Cingapura

O que acontece é que em Cingapura há muitos lugares de vendas de eletrônicos de vibe “paraguaia”, naquele esquema comprar gato por lebre. Eu fui direto comprar no Funan, que todos meus amigos entendidos de Cingapura (e também o gerente do meu hotel em Sayan, em Bali) tinham me recomendado justamente para evitar comprar mercadoria tipo Mikkon, Hiphone etc. O preço não era pechincha mas a procedência era garantida. Então #ficaadica: é preciso olho vivo, sempre, nesse assunto.

Cingapura

Para quem quer comprar grandes marcas de moda em Cingapura, opções é que não faltam. Só na Orchard Road são tantos, mas tantos grandes malls enfileirados (além de shopping centers em outras regiões da cidade), que é impossível não achar sua marca predileta ali, seja ela popular ou de luxo. Se os preços são menores que no Brasil? Sim, são, e consideravelmente. À exceção de Melissas e Havaianas, praticamente tudo lá custa menos que no Brasil – mas isso também não é nenhuma novidade, nós sabemos. Vale saber que a maioria das coisas custa razoavelmente mais que nos EUA e mais que na Europa em geral também (sobretudo para marcas populares, como H&M e Zara).

Cingapura

Roupas e acessórios menos óbvios e mais diferentes a gente acha nas fofíssimas boutiques do Arab Quarter. Algumas lojas são de jovens estilistas locais que estão entrando no mundo da moda e têm peças bem legais, em geral exclusivas (peça única), por preços mais legais ainda. E há também brechós e lojinhas de onda vintage. Vale espiar.

Cingapura

A maioria das lojas em Cingapura exibe na vitrine o selinho do TAX Refund para você receber de volta os impostos pagos nas mercadorias que você comprar; não esqueça de pedir. Cingapura está implantando um sistema eletrônico excelente para o TAX Free: você recebe uma notinha eletrônica junto com sua nota fiscal e basta levar essa notinha ao balcão de TAX Free do aeroporto, antes do raio-X, para receber os impostos de volta sem complicações. É tudo feito rápida e eletronicamente nos totens do local, com a ajuda de uma funcionária. É necessário ter o passaporte em mãos para leitura eletrônica no totem e, dependendo da compra, pode ser necessário apresentar também as mercadorias. Você pode receber os impostos de volta em cash ou como crédito no seu cartão de crédito (o que é mais fácil); mas é cobrada uma “taxa de serviço” pela operação de devolução dos impostos (???) que, no meu caso, significou 20% do total a ser devolvido.

Cingapura

As compras baratas mesmo de Cingapura são as bobageiras vendidas em Chinatown e Little India, que vão desde souvenirs de viagem de todo tipo por 1, 2 ou 5 singaporean dollars em sua maioria, a bijuterias mil, objetos de decoração orientais, vestidos e até ternos feitos em poucas horas.  Em Little India também existem inúmeras lojas para comprar tecidos baratíssimos para usar na decoração (os tecidos são originalmente para os sáris, mas a maioria dos turistas compra para fazer cortinas, almofadas, lenços, panos etc).

CingapuraAli não existe TAX Free, é claro :mrgreen:  , mas já aviso, mulherada, que é impossível não perder também uns minutinhos ali escolhendo brincos e pulseiras 😉

10 Flares Twitter 3 Facebook 6 Google+ 0 Pin It Share 1 10 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.