Compras em viagem: técnicas para pechinchar

51 Flares Twitter 5 Facebook 36 Google+ 10 Pin It Share 0 51 Flares ×
De tudo um pouco na prça Djema El-Fna

De tudo um pouco na praça Djema El-Fna

Sobre as relações de amor e ódio com o ato de pechinchar e o prazer das compras barganhadas em mercados mundo afora.

 

 

Tenho zero tino comercial desde que vim para esse mundo. Nunca soube negociar salário nos meus tempos de CLT, não soube monetizar meu blog, até hoje não sei negociar direito meus frilas. Talvez por isso mesmo eu sempre tenha odiado pechinchar para conseguir qualquer coisa. Não acho um processo natural e fico sempre admirada quando alguém me diz que “pechinchar é a melhor parte de comprar nos grandes mercados do mundo”. O máximo que meu cérebro aceita fazer sem stress, em geral, é, se um cara oferece um chaveirinho por 3, eu dizer tipo: “tá, então eu levo quatro por 10, ok?”.

Mas daí a gente viaja para lugares com mercados super tradicionais, em culturas em que pechinchar é a alma do negócio e tem que, pouco a pouco, aprender a entrar no jogo da coisa. Quando fui para a Tunísia, achava divertido  a brincadeira de sempre oferecerem não sei quantos mil camelos pro homem que te acompanha e tal mas não consegui entrar no clima da pechincha nos souqs. Tentei no ano seguinte na Tailândia, e até consegui uma ou outra vez, mas toda a pressão da negociação me tirava boa parte da vontade de comprar. Mesmo na minha primeira vez no Marrocos, anos depois, até hoje lembro a felicidade minha e da minha irmã ao encontrarmos os dizeres FIXED PRICE numa das barracas do souq depois de dias de negociações exaustivas (tipo bad cop, good cop, com uma negociando e fingindo forçar a compra e a outra fingindo que achava idiotice, tudo caro etc) em outros lugares.

Foi somente na minha primeira vez em Istambul que comecei a entrar no clima; entendi que o processo de “pechincha” nos mercados pode ser também uma ótima maneira de conhecer um povo, uma cultura, através das excelentes conversas que podem derivar de uma negociação. E hoje me arrisco a trazer pra casa quinquilharias barganhadas em mercados da Turquia, Egito, Jordânia, Bali e até do próprio Marrocos.

Marrakech

A minhas “técnicas” básicas são duas:

1) saber de cor e salteado quanto vale a moeda local para não ficar fazendo contas (ou me confundindo com números) em plena negociação

2) estabelecer na minha cabeça quanto eu quero pagar por aquela peça antes de iniciar a negociação (quanto eu acho que ela realmente VALE), propor um pouco menos do que QUERO pagar e não fugir desse valor nem por um segundo. A gente sabe que os caras vão propor um preço muito mais alto que o valor da peça em si, mas não adianta esperar ele dizer quanto vale para pedir a metade. Acho que é o quanto aquela peça vale pra mim que importa. Entre um papo e outro, um café árabe ou turco e uma receita trocada, tem dado certo 😉

especiarias

Outras técnicas que acho válidas também, seja onde for o mercado em questão (inclusive no Brasil), são:

1) Educação, sempre. Ou seja, antes de mais nada, cumprimente o vendedor. Um sorriso e um bom dia (de preferência na língua local) antes de tascar o clássico “How much?” , Aliás, a boa articulação costuma render sempre: tem mais futuro uma negociação que começa com “quanto você está pedindo por essa peça?” do que a que começa com o seco “quanto?”. Não existe fórmula fixa, mas se ele te perguntar de volta “quanto você quer pagar”, responda de novo com a mesma pergunta: “quanto você está pedindo por ela?”. Deixe sempre que o vendedor dê o primeiro preço.

Cingapura

2) Tenha dinheiro cash, e em notas menores, de preferência. Não adianta pechinchar um negócio até chegar em dois dinheiros e querer que o cara te dê de boa troco para 100.

3) Observe a mercadoria antes de negociar o preço. Vi gente pagando fortunas por porcelanas para tajine no souq da Djeema El-Fna em Marrakech que tinham impresso na base “made in China”. Veja se é mercadoria local (não consigo ver mérito nenhum em negociar um tempão para comprar no Egito um tapete feito em Taiwan que você poderia também comprar em lojas no Brasil, por exemplo), se está em boas condições (pequenos defeitos sempre valem descontos, certo?), antes de estabelecer o seu preço. 
 
Cingapura4) Timing. Há exceções, é claro, mas primeiras compras do dia costumam ser mais sortudas mesmo. Por isso mesmo, vale chegar cedo nos mercados. Em Bali, por exemplo, as barracas todas tinham “morning price” e “afternoon price” e quando vendiam a primeira compra do dia passavam a nota dada pelo cliente nas mercadorias da barraca para dar sorte para o restante do dia. Em várias culturas isso é comum: vendedores são mais abertos a cobrar menos pela primeira compra do dia como se “quebrassem uma barreira” e garantissem sorte pros negócios dali por diante.  O raciocínio inverso – aparecer para comprar no finalzinho do dia, quando o cara já acha que nem vai mais conseguir fazer negócio nenhum – também pode render bons negócios em alguns lugares.
5) Não se sinta obrigado a comprar só porque a negociação está indo longe. Você sabe que o preço final vai estar em algum lugar entre os 25% e os 50% daquilo que o sujeito te pediu. Se mesmo esse montante (25-50%) é mais do que você acha que aquela peça vale, move on e passe para a barraca seguinte. A oportunidade pode estar em outra barraca ou até em outro mercado. O souq de Essaouira, no Marrocos, por exemplo, é muito mais fácil e simples de negociar, com vendedores muito mais educados e bem humorados, que os de Marrakech. Em Istambul, acho também o Spice Bazar muito mais legal de negociar que o Grand Bazaar. Por outro lado, tem gente que até usa o tal “walk away” (ir embora) como uma técnica de pechincha, já que, quando você decide partir, é comum o vendedor vir atrás oferecendo um preço mais baixo 😉
E você? Tem técnica para pechinchar em compras de viagem?
51 Flares Twitter 5 Facebook 36 Google+ 10 Pin It Share 0 51 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.