O fascínio pelos supermercados no exterior

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

Sorry, eu não tinha nenhuma foto melhor para ilustrar esse post 🙁

Na minha cidade, eu fico enrolando até os 45 minutos do segundo tempo para ir ao supermercado fazer compras para casa.  É preciso mesmo acabar o café (meu ítem de maior necessidade na vida doméstica) para eu me arrastar ao supermercado mais próximo, cheia de má vontade, para comprar o que está em falta na despensa – e obviamente esqueço no mínimo um par de coisas.  Já no exterior, em viagem, uma das primeiras coisas que eu faço ao chegar num destino novo é entrar num supermercado. Tenho um verdadeiro fascínio por eles lá fora. 
No sé lo que pasa. Uma coisa de maluco mesmo o prazer imenso que eu sinto em olhar prateleira por prateleira, espiar no carrinho e cestinha alheios o que os locais compram, pegar uma embalagem aqui, revirar outra acolá.  Se pelas vitrines de lojas eu sou capaz de passar batido muitas vezes, eu não resisto a uma portinha de supermercado quando viajo. É ali que a gente fica sabendo quando um povo toma muito café ou pouco leite (como na Grécia), que papel o pão tem na sua dieta (muito, muuuito amor pela Itália sempre <3 ), se adoçante e produtos diet são mais coisa de gente doente (como em boa parte da França) e outras coisinhas do gênero.
Pra mim, uma das melhores coisas de alugar um apartamento numa cidade ou ficar num apart hotel com cozinhinha própria é a felicidade suprema de poder ir ao supermercado mais próximo e comprar como os moradores compram (ou, ao menos, como na minha vã ignorância eu acho que eles compram…) e cozinhar essas coisinhas todas. Mas mesmo ficando em hotel eu sempre passo por VÁRIOS mercados ao longo de uma viagem; é mais forte que eu, #aloka. Se bobear, faço até picnic com as compras no quarto :/
É muito grave, dotô?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.