O lado bom da crise

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Todo mundo fala muito da crise econômica internacional nos últimos meses, não? Pois a boa notícia é que, ao menos para os viajantes, a crise pode, sim, ter um lado bom. Além da recente melhora na nossa taxa cambial, são muitas as operadoras e hotéis que andam propagandeando promoções mil para quem quiser viajar agora em julho. A maioria usa como slogan coisas do tipo “férias de julho com preços de baixa temporada”. Saiba que não é, na maioria dos casos, propaganda enganosa.

O presidente da Braztoa (Associação Brasileira de Operadoras de Turismo), José Eduardo Barbosa, disse em recente entrevista que acha que os preços de viagens nunca estiveram tão convidativos para os brasileiros como estão agora. E ainda acrescentou que acha que julho agora deve ser um mês de viagens ao exterior para nós, com a baixa nos preços associada ainda à recente valorização do real frente as moedas estrangeiras. Tudo isso somado ainda à – finalmente! – liberação das bandas tarifárias das passagens internacionais pode ser um prato cheio aos atrasadinhos.

Sim, porque a recomendação em geral é que se compre a passagem aérea o quanto antes para garantir os melhores preços. Os mais organizados compram suas passagens com até dez meses de antecedência para garantir os assentos mais baratos. Só que agora, em tempos de crise internacional, essa máxima não é válida: os atrasadinhos, que deixaram para comprar suas viagens de julho de última hora, é que estão sendo beneficiados com os melhores preços.

Quem viaja para o Brasil, encontra ofertas tentadoras de uma semana no Nordeste por valores que giram os 600 reais e promoções de hotéis de luxo que praticamente despencaram os preços de seus quartos (e prometem manter a qualidade dos serviços). Quem procura viagens ao exterior, é possível encontrar passagens aéreas para os EUA por pouco mais de 550 dólares e para a Europa por cerca de 600 euros. Sem falar nos tradicionais pacotinhos para Buenos Aires, que tiveram queda em torno de 30% nos seus valores.

O fenômeno não é só brasileiro, não; está acontecendo em quase tudo quanto é canto do mundo, para que o setor do turismo recupere-se dos últimos prejuízos. A grande vantagem é que, ao contrário dos grandes países fortemente afetados pela crise, os brasileiros em geral continuam tendo mais poder de compra. Se você ainda estava em dúvidas, dê uma olhada nas ofertas dessa semana de operadoras de turismo, companhias aéreas e hotéis. Aposto que você vai querer fazer as malas rapidinho.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.