Wicker Park: um bairro para não perder em Chicago

27 Flares Twitter 2 Facebook 24 Google+ 1 Pin It Share 0 27 Flares ×

DSC_0016 Explorar Wicker Park, um dos bairros mais bacaninhas de Chicago, é fácil, gostoso e divertido.

 

Para explorar bem o bairro de Wicker Park, em Chicago (de preferência antes que os turistas todos inundem suas ruas como aconteceu com Palermo, em Buenos Aires),  você nem precisa dos “greeters” que eu mencionei no post passado: o bairro é fácil de entender, gostoso de caminhar e existem até mapas prontinhos indicando ruas e as principais atrações, lojas e bares do bairro à disposição no escritório de turismo da cidade e nas recepções de muitos hotéis (ganhei o meu da concierge – “navigator” – do The Blackstone).

Bom humor é regra por ali

Bom humor é regra por ali

Para chegar, você pode tomar um táxi do seu hotel até o cruzamento das ruas Milwaukee (Simpsons, han? 😛 ) e Damen. Ou, facim, facim, tomar o trem/metrô da Blue Line (o bilhete simples custa US$2.25 e as informações completíssimas do sistema de transporte da cidade você encontra aqui) e descer exatamente no mesmo lugar, na estação Damen.

usar os trens e metrô em Chicago é fácil e eficiente

usar os trens e metrô em Chicago é fácil e eficiente

O bairro parece bem um reduto de gente local – ainda não são muitos os turistas circulando por ali, não. A maioria das pessoas é jovem, com menos de 30 anos, mas encontrei gente de tudo quanto é idade por lá em seus cafés, lojas e galerias de arte.  Jovens de cabelo colorido, tiozões tatuados, senhorinhas de tailleur, estudantes, coxinhas, de tudo um pouco 😉

Street lights, people ;)

Street lights, people 😉

Dá pra passar um dia inteirinho lá se você quiser fazer um pouco de tudo, de compras a teatro – dizem que é “O” bairro do momento para quem curte airbnb. Com disposição da para caminhar até Logan Square, já quase em Bucktown, que aumenta a quantidade de lugares interessantes pra visitar.

Wicker Park

Wicker Park

Para quem curte compras, há todo tipo de loja ao longo da Damen, da North e da Milwaukee, de coisas óbvias como American Apparel ao bagel da Bagel on Damien, praticamente uma instituição por ali. Mas o mais legal são as boutiques que existem ali, como a fofa One Strange Bird, a divertida Rudy´s Roundup, a Una Mae´s e tantas outras. A maioria delas tem objetos exclusivos cheios de personalidade, de coisas pra casa a roupas e bijuterias, curti muito.

Lojinhas cheias de personalidade

Lojinhas cheias de personalidade

Uma das lojinhas mais divertidas do bairro

Uma das lojinhas mais divertidas do bairro

Para comer, vale ver Hot Chocolate, Takashi, Prasino, The Bristol… algum deles vai ser a sua cara. Ou fazer uma pausa gostosa pro café da Bagel on Damien, Caffe Streets, Letizia´s Natural Bakery, Swin Café ou a fofíssima Lovely Bakeshop, todos um belo mix de tribos e estilos em suas mesas.

Barzinhos, cafés e restaurantes gracinha

Barzinhos, cafés e restaurantes gracinha

Wicker Park

No quesito arte e história, vale saber que o Wicker Park Historic District reúne diversas casas em estilo vitoriano construídas entre 1870 e 1900 nas avenidas e ruas Hoyne, Schiller, Evergreen e Pierce. Além das várias galerias de arte pequenininhas, vale ver também a Monique Meloche Gallery e o Flatiron Arts Building.

Wicker Park

E quem quiser esticar pra night, dá pra checar o que está rolando no Gorilla Tango Theatre ou investir nos lounges com música ao vivo ou DJ como o Subterranean, o Double Door ou o Map Room.

Bairro gostoso mesmo.

27 Flares Twitter 2 Facebook 24 Google+ 1 Pin It Share 0 27 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.