MariCampos.com Awards

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

Museum Hotel CapadociaOs hotéis mais incríveis deste (meu) 2015

 

 

Sou muito chata com hotéis desde adolescente – minha família que o diga. Mas eu sempre prefiri dizer que tenho apenas bom gosto 🙂 Gosto cada vez mais da hotelaria. Não só como hóspede, mas gosto mesmo é dos detalhes, com os olhos treinados de quem avaliou hotéis para guias por algum tempo.

Neste 2015 tive o prazer – nas viagens por minha conta – e a sorte – nas viagens a trabalho – de me hospedar em alguns hotéis incríveis. Em algumas viagens a trabalho rolaram também (infelizmente) alguns hotéis furadíssimos, que não recomendo de jeito nenhum. Mas a verdade é que, dos muitos hotéis nos quais me hospedei esse ano – e foram muitos mesmo, mais de 50 no total – , felizmente a maioria deixou lembranças bem positivas.

Não é tarefa fácil escolher os melhores dentre tantas experiências legais – tenho lindas lembranças de várias propriedades dos mais diferentes estilos, budgets e categorias. Mas, como em todo ano, aqui seleciono apenas os dez melhores na minha opinião – hotelaços, para reservar de olhos fechados.

Meu TOP 10 de 2015:

Four Seasons George V Paris

Eis aqui um velho conhecido das páginas do blog. Todo ano me hospedo nele, e todo ano ele entra pros favoritos. Verdade seja dita: nem faz meu estilo de hotel. Gosto de menos rococó, mais contemporaneidade, mais design.

Four Seasons Paris George V

Mas o Four Seasons George V Paris sabe ser ousado à sua maneira: nas criações sensacionais do Jeff Leatham no lobby e pelo hotel, nos restaurantes que vivem se reinventando (o novo Le George é espetacular!), nas amenidades de boas vindas, nas atividades gratuitas que criam pros hóspedes e clientes dos bares e restaurantes – e têm um serviço absolutamente irrepreensível. Sou fã assumida.

Da pra ver preços e reservas do hotel aqui.

 

Le Royal Monceau

Eu já era muito fã do restaurante e do bar (recomendo muito ambos) do Le Royal Monceau, localizado quase ao lado do Arco do Triunfo. Gosto das loucuras do Philippe Starck na hotelaria também, então sempre adorei entrar no lobby e dar de cara com seus devaneios. Mas foi só no comecinho deste ano que deixei de ser mera visitante anual e me hospedei lá por algumas noites pela primeira vez.

Le Royal Monceau

Adorei o quarto enorme e super ousado no decor, o café da manhã maravilhoso (considerado por muitas publicações de gastronomia e turismo como o melhor café da manhã de hotel de Paris), a piscina sempre ultra tranquila do spa, os concierges mega prestativos.

Informações sobre preços e reservas aqui.

 

The Dolder Grand Zurich

Que hotelaço! Já tinha visitado o The Dolder Grand numa das visitas anteriores a Zurique, mas ficar lá por duas noites foi uma experiência totalmente diferente (tem review completinha sobre ele aqui).

The Dolder Grand Zurich

O antigo hotel ganhou cara nova com a nova (e linda!) ala projetada por Norman Foster. O proprietário espalhou obras de arte pela propriedade inteira, do lobby aos corredores e restaurantes. Quartos enormes e acolhedores, excelente restaurante, ótimo bar, tremendo spa e belíssimo serviço. Fica afastado do centro (10 minutos em funicular que sai da porta do hotel) mas tem a vista mais escandalosamente linda de Zurique de seus quartos.

Informações mais detalhadas e reservas aqui.

 

Museum Hotel

O Museum Hotel, no coração da Capadócia, na Turquia, há muito estava na minha listinha de desejos – e que faz jus ao seu nome. Fiquei hospedada no hotel justamente quando a Capadócia estava cobertinha de neve – a friaca tinha sido tanta que tinha até congelado uma fontezinha d´agua ao lado do meu quarto.

Museum Hotel Capadoccia

Amei a “geografia” do hotel – casas antigas nas rochas misturadas com casas recentemente construídas, espalhadas pelos desníveis da montanha por entre jardinzinhos, pátios e escadarias -, o serviço cálido e impecável ao mesmo tempo, o quarto imitando as propriedades “escavadas” na montanha, o café da manhã caprichadíssimo, a vista… ah, a vista! De qualquer canto do hotel a gente os vilarejos e as formações rochosas que fizeram a fama da Capadócia entre os turistas estrangeiros – com direito a um “mar de balões” no horizonte ao amanhecer e entardecer. Sensacional! Só não deu mesmo – pela friaca – para usar a linda piscina.

Informações e reservas aqui.

 

Mandarin Oriental Bangkok

Depois de visitar a propriedade, almoçar na deliciosa China House e ficar babando no hotel mais icônico de Bangkok durante a minha primeira visita à Tailândia, há quase nove anos, tive o prazer de começar e terminar minhas duas semanas de viagem pelo país neste ano como hóspede do Mandarin Oriental Bangkok (tem resenha completinha sobre ele aqui).

Mandarin Oriental, Bangkok

 

Bangkok tem inúmeros bons hoteis, principalmente no mercado de luxo; mas nada mesmo que se compare a esse. Cheio de história em cada canto do hotel e absolutamente impecável em todos os sentidos: nos quartos, nas áreas comuns, nos restaurantes, no bar, no spa, na área de lazer, no café da manhã, recepção, concierges, camareiros, tudo. E com uma vista estupenda sobre o rio de todos os quartos. Sério mesmo: dos hotéis mais “redondinhos” que já vi na vida.

Informações e reservas aqui;

 

Corinthia London

Foi, sem dúvidas, uma das maiores surpresas que tive com a hotelaria neste ano. Sabia que o The Corinthia Hotel em Londres era bom, mas não imaginava que fosse TÃO bom – pra mim, entrou na categoria hotelaços londrinos, junto com o Four Seasons at Park Lane e o Mandarin Oriental Hyde Park (tem review completa sobre ele aqui).

Corinthia London

Quartos imensos e cheios de mimos e tecnologias, serviço super atencioso da recepção às camareiras, café da manhã perfeito e localização do jeitinho que a maioria dos turistas gostam: a passos da National Gallery e curta caminhada da London Eye e do Big Ben.

Informações e reservas aqui.

 

Four Seasons Johannesburg

Novinho em folha – após mega restauração dos edifícios do complexo do antigo hotel The Westcliff – o Four Seasons Johannesburg é a prova de que Joburg – ou Jozi – está mais vibrante, sedutora e segura do que nunca (review sobre ele aqui).

Four Seasons Johannesburg

O hotel tem tudo a ver com a nova cara da cidade: super fiel às raízes africanas e à história nacional, mas cheio de toques contemporâneos e muita, muita arte espalhada pela propriedade. Restaurantes e bares deliciosos e piscina com vista para o pátio dos elefantes do imenso zoo de Johannesburgo. Adorável.

Informações e reservas aqui.

 

Four Seasons Seychelles

É muito, muito difícil, escolher “meu melhor hotel” de 2015 dentre tantas opções incríveis pelos mais distintos motivos. Mas, talvez, se tivesse que escolher um só, ouso dizer que o hotel que mais me impressionou foi o Four Seasons Seychelles (review completa aqui).

Four Seasons Seychelles

Luxo pouco é bobagem em Seychelles; são muitos, muitos mesmo, os hotéis estrelados por lá. E a vibe romance, bangalôs etc também, já que o destino é mega popular entre casais e honeymooners. Mas a propriedade com todos os quartos em estilo vila, espalhados pela geografia montanhosa de Mahé, mas sem perder a vista para o mar e a privacidade em meio à exuberante floresta que rodeia, foi mesmo matador. Some-se a isso um dos serviços mais doces, primorosos e prestativos que já vi (similar aos das propriedades Four Seasons em Bali e ao Las Ventanas al Paraiso, no México), ótimos restaurantes e um spa hors-concours que é programaço também para não hóspedes.

Informações e reservas aqui.

 

The Marylebone

Outra big surpresa londrina: ver que o premiado The Marylebone, parte da Doyle Collection, é mesmo tão incrível como todo mundo diz (falta review completinha sobre ele, que ando mega atrasada com as postagens aqui, mas vai ter tudo em detalhes, tintim por tintim, muito em breve, por aqui).

The Marylebone London

Luxo super contemporâneo, sem afetações, e vibe low-profile em todos os ambientes do hotel, da recepção super discreta ao spa caprichadíssimo. Móveis cheios de conforto mesclados com acessórios super bem humorados e/ou ousados. Café da manhã delicioso, serviço super informal e cálido e localização perfeitinha, na adorável região de Londres homônima ao hotel.

Informações e reservas aqui.

 

Viña Vik

Pela ousadia na arquitetura e na decoração e pela vista deslumbrante de montanhas e vinhedos que o rodeia, o Viña Vik já valeria a viagem desde Santiago para uma visita de um dia – que é programa que muita gente tem feito por lá.

VinaVik

Mas os quartos são tão sedutores, os espaços comuns tão convidativo e a gastronomia tão caprichada que a maioria dos visitantes acaba voltando numa outra oportunidade para se hospedar. E vale a facada que cobra (review completinha aqui).

Informações e reservas aqui.

 

Menção honrosa:

La Reserve Apartaments

Não é hotel, mas bem que poderia ser. Os apartamentos da La Reserve Apartments, em Paris, são tão impecáveis no serviço e nas acomodações que deixam muito hotel de luxo para trás.

La Reserve Apartments Paris

Localizados num charmoso edifício bem em frente ao Trocadéro, têm concierge 24h, entradas e elevadores com absoluta discrição e privacidade e apartamentos imensos, completíssimos, com diferentes quantidades de quartos como opção, mas com todos os serviços de um hotel de luxo, das camareiras dia e noite ao café da manhã servido na sua própria sala de jantar, na hora que você desejar.

Não há nada, nada mesmo, similar em Paris em termos de aluguel de apartamentos de luxo.

 

Que 2016 venha cheio de grandes experiências como essas 🙂

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

About the author

Mari Campos é jornalista formada e especializada em turismo e lifestyle de luxo, e colabora exclusiva e regularmente como freelancer há mais de treze anos com textos e fotos sobre o tema para portais, revistas e jornais no Brasil e em outros oito países. O conteúdo deste post foi elaborado e decidido pela autora tendo como único critério a relevância do assunto para os leitores do MariCampos.com. A menos que esteja escrito explicitamente "post patrocinado" em letras maiúsculas no início do texto do post, não há qualquer tipo de vínculo ou parceria comercial/editorial com as empresas, estabelecimentos e/ou serviços citados no texto nem qualquer tipo de remuneração pelo mesmo.